sábado, 21 de junho de 2014

CONVERSAS PRIVADAS EM NEVERLAND COM MICHAEL JACKSON (2)


O jantar na casa de Michael

''Quando terminei de atender meus pacientes deste dia, eu chamei minha esposa Criss. Eu disse a ela que eu tinha conhecido Michael Jackson e eu tinha sido convidado para o jantar, juntamente com Mason, naquela noite.

Pedi-lhe para não contar a Mason para onde estávamos indo, apenas para se vestir, porque teria uma surpresa para ele. Quando cheguei em casa, ele estava pronto para sair com calças cáqui, uma camisa branca e uma gravata.

"Vamos a um lugar incrível esta noite, Mason."

Quando saímos da estrada, Mason me olhou sorrindo e disse: "Vamos para a casa de Michael Jackson, certo, pai?

Não estou muito certo porque ele adivinhou, exceto porque na realidade, havia apenas um lugar incrível onde você poderia ir nesta área: Neverland.

Mason conhecia a generosidade de Michael com as escolas de Santa Ynez Valley. Ele costumava convidar a vários cursos de escolas da região para seu rancho, para o almoço ou jantar, entrar nas atrações, visitar o jardim zoológico e assistir a um filme. Ele fazia isso muitas vezes. Nos anos seguintes, muitas vezes, ouvi Michael dizer: "Ninguém paga nada em Neverland.''

Olhei para Mason com um sorriso e acenei com a cabeça, dizendo: "Sim, nós vamos lá." E assim começou: quase cinco anos de amizade, como nenhuma outra.

A entrada de Neverland ficava cerca de seis quilômetros de minha casa em Ballard [uma parte da cidade de Solvang]. Você tem de dirigir através de Los Olivos na Rodovia 154, passar pelo rancho Chamberlin até aos portões exteriores que levam para o rancho de Michael. Um rancho de 2.800 acres.

O caminho até sua casa serpenteia através de um campo aberto cheio de colinas, carvalho e artemísias e havia sempre javalis, lebres e cervos cruzando a estrada.

A casa de Michael não era visível da porta da frente, onde nos foi solicitado que parássemos e assinássemos antes de entrar no rancho. Era um formulário sobre o comportamento dentro do rancho, quando você fosse convidado e o aviso de que as fotografias eram totalmente proibidas no interior.

Portanto, todas as câmeras e telefones celulares que pudessem tirar fotos teriam que ficar lá para ser retirados no momento da partida.

Desde a porta de entrada, havia uma estrada com cerca de um quilômetro e meio até os portões de ferro forjado de Neverland. Essas portas não eram visíveis até que se subisse uma colina de onde se vê um dos lagos da casa, dando uma ideia da grandiosidade do lugar.

Os animais vagavam livremente e, por vezes, me encontraria no meio do caminho tendo que afugentá-los, a fim de continuar. Michael me disse durante a consulta que eu fosse cuidadoso e ''dirigisse lentamente."

Enquanto me aproximava, as portas se abriram automaticamente. Eles eram enormes e muito ornamentadas. Acima das mesmas e em forma de arco, se lê em letras douradas "Neverland" e sobre elas, o nome de Michael Jackson escrito horizontalmente em um laço dourado.

Passando os portões, a estrada se dividia em direita e esquerda ao longo do lago. Disseram-me para seguir o caminho à direita. No final se atravessava uma ponte de pedra onde havia uma cascata sobre um segundo lago, quase do mesmo tamanho que o primeiro e, por baixo, passava uma corrente que ligava ambos os lagos.

Espalhadas ao longo do lago havia estátuas de bronze em tamanho natural de crianças brincando. Do outro lado da ponte vi um motorista próximo a quatro limusines Rolls Royce pretos, que nos fez sinal para que estacionássemos ao seu lado.

Quando saímos do carro, a porta principal da casa estava aberta e oito serviçais se alinharam nas escadas para nos dar as boas vindas.

Michael estava no topo da escada na entrada. Cada funcionário havia recebido a instrução para acenar com as mãos e se apresentar enquanto nós passássemos.

Este era um Michael diferente do que eu tinha visto no meu consultório, mais cedo. Ele estava muito no controle. Ele parecia acostumado a estar no comando na forma como instruía sua equipe, que agora voltava para suas funções regulares.

Depois que eles foram embora, eu apresentei Mason para Michael, que por sua vez nos apresentou ao Prínce - com três anos - e Paris - dois anos - que estava de pé atrás dele, enquanto ele saía para nos receber.

Paris estava bastante tímida e abraçava a perna direita de Michael, enquanto nos olhava através dele. Prínce foi bastante cavalheiro ao se aproximar, apertou nossas mãos e disse que ele teria o prazer de nos conhecer. Michael tentou fazer com que Paris nos dissesse ''oi'', mas tudo o que ela fez foi esconder a cabeça em seu pijama.

Isto fez Michael rir um pouco e ele disse: ''Paris, sua applehead.''

Eventualmente, depois de ouvir essa palavra usada em uma série de momentos diferentes ao longo do próximo mês, eu descobri que applehead [cabeça-de-maçã] era na verdade um termo carinhoso que Michael usava com quem estava sendo bobo.

Sem ninguém de sua equipe em torno dele, Michael era muito suave, como a pessoa que eu havia conhecido em meu consultório.''

Fonte e tradução: Rosane - blog Cartas Para Michael

VOLTAR PARA:

2 comentários:

  1. Esses depoimentos das pessoas chegando à Neverland pela primeira vez, sempre passa um filme pela minha cabeça... não acontece com vc, angel? Consigo visualizar até mesmo as pedras nas gramas, ao longo do caminho... ゚・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acontece sim angel. Ficamos imaginando a cena.

      Que mimo conhecer os filhos de Michael ainda tão pequenos.

      Um lugar inesquecível Neverland. Chegar nos portões já seria uma glória.

      ♥♥♥

      Excluir