sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

LIVRO MY FAMILY, THE JACKSON'S - CAPÍTULO 18 (BY KATHERINE JACKSON)


"Michael, você não se sente sozinho naquele rancho?" Eu perguntei a ele em 1989.

"Não, mãe, eu não tenho tempo para ficar sozinho", disse ele. "Estou sempre ocupado."

Você sabe como algumas pessoas são "da manhã", enquanto outras são "da noite"? Michael é ambos. Ele mal pode esperar para começar com o seu dia. Quando a noite chega, você vai encontrá-lo escrevendo.

Quando ele está trabalhando, ele fica lendo na cama, às vezes até a madrugada. Mesmo achando que ele poderia ter tirado um tempo de férias depois de sua turnê mundial, ele simplesmente não ficou parado em 1989.

Até o meio do ano, Michael já tinha começado a trabalhar em seu próximo álbum, uma mistura de músicas novas e antigas. Mas ele não foi o único Jackson ocupado em 1989. Eu poderia ter usado um programa para me ajudar a manter o controle sobre os projetos de gravação de seus irmãos.

O primeiro álbum solo de Jackie em 16 anos, Be the One, foi lançado em março pela Polygram. No outono, Jermaine havia lançado o seu terceiro álbum pela Arista RecordsDon't Take It Personal e Randy com o seu primeiro álbum solo, Randy and The Gypsies pela A&M.

Eu tenho que ser honesta: Enquanto eu me divertia ouvindo os seus discos, eu não me emocionei ao ver os irmãos gastar tanto de sua energia em seu trabalho solo.

"Vocês correm o risco de se afogar", eu disse a eles quando seus álbuns ainda estavam em fase de planejamento. "Haverá muitos Jacksons lá fora. As pessoas vão dizer: 'O álbum de qual Jackson devo comprar desta vez?"

"Seu foco deve ser em manter os Jacksons indo. Vocês são muito mais fortes como um grupo do que vocês são como artistas solo, de qualquer maneira."

No entanto, eu entendi o desafio dos meninos na continuidade do grupo após o álbum Victory de 1984, em face do compromisso de Michael com a sua carreira solo.

Jackie: ''Originalmente, eu pensei que Tito, Randy e Marlon gostariam de voltar ao estúdio com Michael após a Victory Tour. Eu não estava contando com Jermaine estar envolvido, porque ele não assinou contrato com a Epic. Então, nós soubemos que a CBS queria outro álbum de Michael Jackson em primeiro lugar.''

Os meninos realmente não tinham escolha a não ser esperar por Michael gravar Bad.

Marlon: ''Eu pedi uma reunião de família para dizer a todos da minha decisão de deixar os Jacksons. É claro, eles queriam saber o porquê. Eu respondi: "Eu tenho feito isso por 20 e poucos anos. Não é que eu não gostasse de estar no grupo, porque eu gosto.''

''Mas estar no Jacksons não é algo que esteja me motivando agora na minha vida. Eu preciso de algo que me faça continuar, isso é mais um desafio. Uma carreira solo em tempo integral é um desafio muito grande.''

"Indo para a reunião, eu sabia como todo mundo iria reagir. Eu sabia que meu pai iria dizer: "Não, você não pode", o que ele fez - e continua a fazer para este dia.''

''Eu sabia que minha mãe seria solidária, e ela foi: "O que te fizer feliz, eu lhe apoio."

''E eu sabia que Michael estava indo para saber sobre meus planos específicos, que é exatamente o que ele fez antes de declarar: "Marlon, se é isso que você quer fazer, ninguém vai pará-lo."

Essa foi a primeira vez que eu acho que minha família realmente me viu. Eu era a pessoa na família que nunca dizia nada, nunca mostrava qualquer emoção. Foi uma mudança para mim falar e me senti bem.''

É verdade que eu apoiei Marlon, eu quero que cada um dos meus filhos se realize. E eu ainda me lembro de pensar durante essa reunião... ''o que vai acontecer com os Jacksons sem Marlon e com Michael fazendo outro álbum solo?''

A resposta - em 1985, 1986, e 1987, pelo menos - não era muito. Jackie, Tito e Randy gravaram algumas faixas no estúdio da casa de Tito, mas os únicos lançamentos dos Jacksons durante esse período foram álbuns solo: Bad de Michael, Control de Janet, Baby Tonight de Marlon, Precious Moments de Jermaine, Imagination de LaToya, e Reaction de Rebbie.

Jackie: ''Em 1987 tinha sido dois anos e meio desde o álbum Victory. Michael ainda não tinha liberado Bad e finalmente percebemos que ele não estaria disponível para o álbum seguinte do grupo. Então decidimos: "Ei, irmãos, vamos fazê-lo nós mesmos."

Finalmente, em 1988, o trabalho começou de fato em um álbum novo dos Jacksons. Desempenhando um papel fundamental, ironicamente estava Jermaine, que originalmente não estava indo para participar do álbum.

Para trabalhar com seus irmãos, ele teve que colocar seu álbum Don't Take It Personal em espera. Mas isso é o quão importante ele pensou que era ver outro álbum dos Jacksons nas lojas. "Nós não queremos ver a lenda dos Jacksons se perder", ele declarou em uma reunião de família em 1988.

Rebbie: ''Jermaine também tentou fazer os irmãos perceberem que nem todo mundo na família é um vocalista, que sua verdadeira força vem da mistura de suas vozes. Jermaine tomou o lugar de Michael no grupo. Ele preencheu o vazio.''

Mesmo que em 1988 um álbum dos Jacksons estivesse muito atrasado, Jermaine, Jackie, Tito e Randy sabiam de coisas além de seu trabalho. Eles tinham ouvido as fofocas na indústria que os Jacksons não eram nada sem Michael, e eles tinham a intenção de provar que os céticos estavam errados.

Mesmo antes do álbum ser lançado, Jermaine o chamou "de longe, o maior material que os Jacksons já tiveram juntos." A única coisa que me impressionou sobre o álbum quando eu o conheci era sua grande variedade. Era como uma versão musical de salada do chef: um pouco de funk .... um pouco de pop .... um pouco fácil de ouvir.

Embora eu me encontrasse cantarolando várias das canções depois de apenas algumas poucas audições, eu tive imediatamente uma favorita: 2300 Jackson Street, a faixa-título autobiográfica, co-escrita por Jermaine, Jackie, Tito e Randy, mais Gene Griffin e Arão Hall, que apresentam os vocais de cada um dos meus filhos, exceto LaToya:

Mamãe e papai
Eles sacrificaram seus desejos e necessidades
Para que pudéssemos alcançar a luz
Apesar dos tempos serem difíceis para nós
Sabíamos que ambos trabalharam duro
Eles nos deram tudo o que o seus corações poderiam dar
E ainda abriram espaço para o amor
Estamos todos unidos
E de pé forte
E ainda hoje
Nós somos uma grande família
2300 Jackson Street
Sempre em casa
2300 Jackson Street
Sempre em casa

Jackie: ''Depois que o álbum ficou pronto, Jermaine tocou uma fita dele para Michael em seu rancho. Michael não podia acreditar o quão bom o álbum estava. Lágrimas rolavam por seu rosto enquanto ouvia. Ele foi imediatamente para o telefone com Walter Yetnikoff, o presidente da CBS Records. "Não perca o a gravação dos Jacksons", disse ele. "É um grande disco, um recorde número um."

Com a possível exceção do álbum de estréia do Jackson Five, eu não sei quando a família ficou mais ansiosamente aguardando o lançamento de um álbum dos Jacksons. Finalmente, em maio de 1989, quase cinco anos após o lançamento do último álbum dos Jacksons2300 Jackson Street foi enviado para as lojas de discos.

Todos nós assistimos com grande interesse o primeiro singleNothin' (That Compares 2U) e o álbum dispararam nas paradas negras. Tivemos motivos de comemoração quando ambos alcançaram o Top 10 (da música negra).

Mas estavam todos profundamente decepcionados quando 2300 Jackson Street não conseguiu passar para as paradas de sucesso.

Os meninos, Joe e eu sabíamos que o álbum tinha canções bastante fortes e o som para merecer essa passagem. Mas também sabemos que um álbum não pode ir a qualquer lugar, quando a gravadora não está cem por cento atrás dele.

Michael continuou a exortar a CBS Records para promover o álbum depois de seu lançamento. A CBS continuou a prometer que o faria. Mas ficou claro em pouco tempo que a CBS não tinha a intenção de dar a 2300 Jackson Street um impulso total. A pergunta era: Por quê?

A resposta tem a ver com o fato de que 2300 Jackson Street foi o último álbum que os Jacksons tinham contratado para entregar à gravadora. Em vez de realmente promover o LP com a esperança de voltar a assinar com os Jacksons, como todos nós pensamos que a CBS faria, a gravadora havia aparentemente desistido ou decidido contra, continuando a sua relação com os Jacksons.

"Por que eles engordam cobras com rãs?" É a maneira que eu colocava para os meninos. "Eles não lhes fazer grandes se não souberem se vocês estão ou não com eles.''

O fato de que 2300 Jackson Street não era capaz de obter um julgamento justo do público foi uma pílula amarga para os meninos, Joe e eu engolirmos. Eu muitas vezes se referiro à história da família Jackson como uma história de Cinderela, mas esta foi uma história dos Jacksons sem um final feliz.

Felizmente, a família teve algo de positivo para concentrar-se durante este período frustrante de 1989: o retorno triunfal de Janet depois de sua própria ausência prolongada do local de gravação.

Eu estava cutucando Janet para voltar ao estúdio por quase tanto tempo quanto eu tinha estado estimulando os irmãos. "Jan, é melhor você se apressar e conseguir que o álbum saia", eu disse a ela em 1988. "As pessoas esquecem, você sabe."

Mas Janet não estava preocupada. "Mãe, há pessoas que tem espaçado muito mais tempo do que eu entre os álbuns."

Se soava como se Janet estivesse menos consumida com sua carreira do que, digamos, um certo irmão dela, ela estava. Mas sua natureza mais relaxada não explicava totalmente a longa pausa.

Um projeto de filme no qual ela iria se envolver depois de Control não deu certo e suas negociações com Jimmy Jam e Terry Lewis, a equipe que havia produzido e co-escrito Control, tinham saído por semanas. Em causa estava a sua taxa.

Em um aparente impasse nas negociações, Janet considerou se aproximar de outros produtores. Mas Michael, a quem muitas vezes ela se virava para pedir um conselho, aconselhou paciência. "Se você está indo bem, por que mudar de produtores?", raciocinou.

Uma chamada de Janet com Jimmy Jam e Terry finalmente colocou as negociações de volta nos trilhos e em janeiro de 1989 ela finalmente começou a gravar seu quarto álbum em Minneapolis.

O trabalho correu muito lento. Assim como foi com Michael com Bad, Janet teve a pressão de tentar competir com um álbum de sucesso anterior.

O trabalho também procedeu muito secretamente. Foi meses antes que eu soube do título do álbum: Janet Jackson Rhythm Nation: 1814. Antes disso, o LP pela A&M Records tinha apenas um código como nome: O Projeto 1.814.

Finalmente, em maio, o álbum estava pronto para ser mixado. Mas o trabalho de Janet estava longe de terminar. Em 16 de maio, o seu vigésimo terceiro aniversário, ela começou os ensaios para um vídeo estendido com várias músicas do álbum.

O cronograma de filmagem foi exaustivo. Janet ia para o set, um armazém de Long Beach, todos os dias às três horas da tarde e ela filmava até às sete da manhã seguinte. De suas oito horas fora do set a cada dia, duas eram gastas com o deslocamento.

A programação e uma gripe muito forte foram demais para ela. Ela passou dois dias no hospital, sofrendo de exaustão e desidratação. Eu nem sabia que ela estava doente até que ela voltou a trabalhar. Ela nunca me diz quando ela não está se sentindo bem, eu tenho que descobrir sobre ela através de um de seus irmãos. Neste caso, Rebbie.

No dia em que Rebbie telefonou, fui ao set para ver Janet. Fiquei aliviada por encontrá-la bem bonita. Eu também visitei o set um dia, quando Michael estava lá.

Mal sabia eu quando cheguei que Janet tinha planos para mim, ou seja, para filmar uma entrevista comigo para um possível vídeo sobre a produção de seu vídeo Rhythm Nation.

"Ok'', eu disse.

"Kat, estou surpreso!" Michael exclamou. "Eu disse a Dunk que você não iria fazê-lo."

"Bem, se você não está esperando que eu diga sim, eu não vou."

Eu quase não tive a chance de me sentir confortável em uma cadeira antes que Janet começasse a arrumar o meu cabelo e Michael começasse a aplicar maquiagem no meu rosto.

"Espere, espere, eu odeio quando vocês fazem essa agitação!", eu protestei.

Quando finalmente cheguei diante das câmeras, Michael começou a brincar com as luzes.

"Deixe as luzes quietas. Elas estão bem", eu disse.

''Tudo tem que ser perfeito'', Michael respondeu, continuando a mexer com elas.

Algumas semanas mais tarde, Michael chamou uma equipe de câmera e entrevistador para a casa, para filmar uma entrevista com Joe e eu, para sua coleção particular da família.

É algo que ele estava ameaçando fazer há anos, mas da qual eu me esquivava, porque eu sabia que ele iria querer me perguntar um monte de pequenas questões diabólicas - ele é realmente interessado sobre como Joe me cortejou, nosso primeiro beijo, esse tipo de coisa.

Sua coleção, aliás, continua a crescer e crescer, e inclui a maioria não só das fotos antigas da família, mas lembranças como os sapatos que a sua sobrinha Stacee usava com a idade de dois anos e a primeira fralda de seu sobrinho Taj. "Michael, você é apenas um rato velho..'' eu digo a ele.

Até a minha primeira visita ao set de Janet, eu tinha ouvido apenas uma das suas novas músicas, Black Cat. Janet a tocou para mim, porque ela estava especialmente orgulhosa dela. Não só foi a primeira música que ela já tinha escrito completamente por conta própria, mas foi também a primeira canção de rock que ela já tinha feito.

Em junho, no entanto, eu tinha ouvido a maior parte do álbum - o suficiente, pelo menos, para concluir que Janet tinha se afastado do seu atrevido som de Control em favor de um som mais maduro pop-R & B. No começo, eu estava nervosa por ela estar tomando uma nova direção.

"Jan, o som de Control foi um grande som", eu disse. "Olhe para o sucesso de Paula Abdul e Jody Watley gravando músicas nesse estilo. Porque você não pode, pelo menos, colocar um par de músicas do tipo Control no álbum, só para se assegurar?"

"Mãe, eu acho que o público vai gostar do meu novo som", respondeu ela, confiante. Janet é como Michael: Quando alguém pula em seu vagão, ele constrói outro vagão.

Quanto mais eu andava sobre o novo vagão de Janet, mais eu gostava. Quanto mais eu me envolvia com as músicas, mais eu ficava impressionada com o fato de que elas foram escritas com um propósito: trazer pessoas de todas as cores juntas através da música e da dança.

Abordando questões como preconceito, analfabetismo, drogas, violência e os sem-teto em sua música foi para mim um sinal de maturidade de Janet, não só como artista, mas também como um ser humano.

Em agosto de 1989, um mês antes do álbum de Janet ser lançado, saiu o seu primeiro singleMiss You Much. Quaisquer dúvidas que eu tinha sobre Janet mudando seu som foram apagadas quando a canção subiu para o topo das paradas, ajudada, eu tenho certeza, pelo seu grande vídeo. O álbum foi número um em outubro.

Surpreendentemente, Janet foi ainda menos demonstrativa sobre o sucesso de Rhythm Nation do que tinha sido sobre o sucesso com Control, quando ela me enchia com as posições mais recentes nos gráficos.

Mas quando eu a chamei após o lançamento de Rhythm Nation, ela não disse nada sobre como o álbum estava andando - ela é tão despretensiosa. Seu namorado Rene agiu mais animado do que ela. Ele era o único que me mantinha informada.

Uma das razões por que eu estava tão impaciente para ver Janet voltar ao estúdio e gravar outro álbum foi o meu desejo de ver a sua turnê pela primeira vez em apoio ao LP.

Sua decisão de não fazer uma turnê por trás de Control levantou algumas sobrancelhas entre os membros da imprensa; me lembro de especulações de que ela poderia até ter "medo" da turnê.

A verdade é que ela gosta de se apresentar, ela só não queria excursionar até que ela tivesse bastante material original de alta qualidade para fazer um show completo.

A capacidade de Janet para a dança tem sido uma coisa maravilhosa para mim. Sendo a minha filha mais nova, ela perdeu seus irmãos e irmãs ensaiando de meias na sala de ensaios e na sala de estar. Até o momento em que ela tinha três anos, estávamos em Los Angeles e os Jackson Five, já famosos, estavam ensaiando em estúdios.

''Oh, meu Deus'', eu me lembro de pensar no momento, ''Janet não tem ninguém em casa para inspirá-la a dançar! Eu me pergunto o que ela vai fazer quando crescer.'' Janet nunca dançou quando era criança.

Vire o calendário até 1986, no entanto, e Janet demonstra em seus vídeos de Control e nas performances de televisão que a capacidade de dançar não é algo que tenha que ser cuidadosamente desenvolvida ao longo dos anos. Ela pode simplesmente estar lá, na genética.

Eu tinha certeza de que com esses vídeos mais as aparições na TV, Janet tinha se viciado na dança. Eu estava errada. Depois de Control, ela descalçou seus sapatos de dança. Não foi até que seu quarto álbum estava quase terminado e era hora dela começar a se preparar para os seus vídeos que ela pegou o ritmo de novo.

(Como Janet não gosta de exercícios, em geral, ela acabava ganhando alguns quilos entre os álbuns. Uma das razões pelas quais eu acho que ela desmaiou durante a filmagem do vídeo Rhythm Nation é o fato de que ela estava sobrevivendo com míseras 900 calorias por dia.)

Janet não teve que me pedir duas vezes para acompanhá-la na primeira semana de sua turnê. Eu a encontrei em Miami, no seu desempenho na noite de abertura.

Não tendo visto seus ensaios para o show - Janet ensaiou seu show no Civic Pensacola Center, o mesmo local que Michael tinha usado para ensaiar seu show solo - Eu não tinha certeza do que esperar. Eu só sabia que Janet faria bonito.

Ela era mais do que boa. Sua dança e canto foram fantásticos. Alguns de seus movimentos me faziam lembrar de Michael - que somos uma família, depois de tudo - mas muitos de seus movimentos eram distintamente ela.

"Jan", disse a ela nos bastidores, "esta foi a sua primeira vez sozinha no palco. Mas ninguém sabe que foi sua primeira vez porque você estava tão profissional lá em cima.''

"Verdade, mãe?" Janet respondeu, abrindo um sorriso.

A única sugestão que eu tinha era algo de uma mãe diria. Observando que Janet ficava suada, eu disse a ela:

"O show é todo com você, sem intervalo. Que tal a sua banda tocar um número enquanto você sai do palco e descansa alguns minutos? A única vez que você não está no palco é quando você está mudando de figurino e que leva apenas um par de minutos."

Janet disse que ia considerar o que eu disse. Mas eu não acho que ela iria acabar mexendo com o que era um show propositadamente ritmado.

Depois do show de Miami e vários outros dos quais participei, Janet e eu imediatamente embarcamos em seu ônibus Prevost e partimos para a próxima cidade. Janet recebia uma massagem de seu massagista e depois comia alguma coisa que a cozinheira havia preparado.

Às três horas da manhã chegávamos ao nosso hotel e prontamente íamos para a cama. Onze horas depois éramos chamadas para o almoço, seguido de uma chamada às três e meia da tarde para um passeio pela arena.

Das quatro horas até pouco antes do show, Jan e eu relaxávamos nos bastidores, enquanto ela tinha a sua maquiagem feita. Então, pouco antes de subir ao palco, Janet faria uma visita a um espaço reservado para tirar fotos com dignitários locais e pessoas de rádio, enquanto eu me certificava do meu lugar na platéia.

Era um cronograma puxado para uma fã de 60 anos de idade seguir, mas foi divertido. Naturalmente, a maior diversão que eu tinha era em assistir Janet trabalhar a sua magia sobre a multidão, noite após noite.

Mais cedo ou mais tarde, eu me vejo fazendo com Janet o que eu tinha feito com Michael e com os Jacksons antes dela, recordando momentos preciosos do passado: Janet aos dois anos de idade, escalando as camas de beliche de seus irmãos em Gary. ... lutando com eles como uma moleca. E aqui está ela, eu concluo, uma jovem senhora se apresentando para milhares de pessoas.''


VOLTAR PARA

Nenhum comentário:

Postar um comentário