sábado, 16 de fevereiro de 2013

LIVRO MICHAEL JACKSON IN SEARCH OF NEVERLAND: VAMOS FAZER UM NEGÓCIO

A viagem para casa veio com uma boa chance para conversar. Eu disse a Michael que eu queria saber o que estava em sua mente. Ele respondeu: "Vamos fazer um negócio. Vamos obter esse rancho em meu nome em seguida. Eu quero comprá-lo e quero que você me ajude, Gloria. Eu tenho somente onze milhões de dólares para pagamento inicial. Não tenho os fundos para descontar para fora. Qual você pensa ser um bom preço para esse rancho?"

Minha investigação me disse que Sycamore Valley Ranch era o mais caro rancho de 2.700 acres de todo os Estados Unidos; ele estava, também, grosseiramente acima do preço, mas, não obstante o potencial comprador tinha que fazer uma oferta em resposta ao preço pedido por Bill Bone,  de 35 milhões de dólares. E eu sabia que esta deveria ser uma difícil transação, não somente porque Michael estava saindo para a primeira parte da Bad World Tour, sua primeira turnê solo, mas também porque aqueles em torno de Michael não queriam que ele comprasse o Sycamore Valley Ranch.

Eles tinham outros ranchos em mente, outras propriedades que tinham seus parentes ou amigos como proprietários. Eles estavam ansiosos para vender a ele o que pensavam ser benéfico a eles, em vez de ser benéfico a Michael Jackson. ( Eles também estavam interessados em fazer a comissão nesta venda - o que deveria tornar-se conhecido como a venda imobiliária do século.) E eu estava consciente de que Michael Jackson havia trabalhado com diversos corretores nos últimos anos e nunca encontrou o que ele queria.

Eu disse: "Agora mesmo, eu acredito que em um consenso de opinião acerca de preços de ranchos por todo os Estados Unidos, 17 milhões de dólares deveria ser o preço correto. Seria um negócio se pudéssemos consegui-lo por este preço, considerando todas as casas e estruturas. Estas são todas construções novas desenhadas por Bill.  A casa principal, a casa de recreação, as outras cinco casas da propriedade,  os celeiros, currais, escritórios, a garagem de dez carros. Tudo que você tem é muito valioso. A mansão está mobiliada com três milhões e meio de dólares em arte e mobiliário, e todo o rancho está totalmente equipado. Você realmente está tendo um negócio se nós pudermos obtê-lo por 17 milhões de dólares. Além do mais, você está conseguindo o rancho como uma operação fechada. Você não tem que fazer nada exceto se mudar para o rancho com seu próprio pessoal , ou contratar o pessoal de Bill Bone.

O próximo passo era que tínhamos que fazer uma oferta. Mas, mesmo antes de apresentarmos uma oferta de Michael, nós tínhamos que obter a cooperação de sua comitiva de conselheiros. Logo depois de eu mostrar a Michael o Sycamore Valley Ranch, seu advogado John Branca sugeriu ( sem consultar comigo ) que Michael fizesse uma oferta de 10 milhões de dólares. De fato, ele queria fazê-la mais baixa - uma oferta  de  9 milhões de dólares.

Quando eu soube disso, eu aconselhei: "Michael, você sabe, você vai ofender o proprietário e vai ser difícil influenciá-lo se nos colocarmos contra ele. Você pode muito bem dar-lhe um tapa na cara. Esta não é uma venda forçada ou a extinção de uma hipoteca. Quando você é super rico, como o proprietário, Bill Bone, você não vai aceitar isso. O homem é super rico e conhecido como o construtor da década.  Ele nem mesmo tem que vender o rancho se ele não quer. Eles não tem que aceitar isso."

Depois de conversar com Michael sobre a oferta, ele autorizou-me a fazê-la por 13 milhões de dólares com um cheque de 200 mil dólares. Apesar de Michael ter autorizado a oferecer um montante, isto tinha que ser levado para John Branca, Frank Dileo e Marshall Gelfand, para sua entrada e aprovação. Seus conselheiros mantiveram-se interferindo, dizendo que aquilo deveria ser por menos dinheiro, que nós não deveríamos fazer uma grande oferta. Isto, para mim, parecia que eles estavam tentando impedir Michael de conseguir o que ele queria.

John Branca finalmente capitulou e fez uma oferta por Michael, como seu advogado. A oferta tinha que ser feita em nome de John Branca e não Michael Jackson, a fim de acelerar a venda e proteger a transação do escrutínio da mídia. ( Mais tarde foi colocado em uma sociedade sobre o nome de Michael Jackson, mas o nome de John Branca foi usado nos documentos originais de aquisição; o fato da oferta ter sido feita no nome de John Branca, acabou complicando a transação. ) Branca realmente havia preferido que eu não fosse parte da transação, mas desde que eu era a corretora de imóveis oficial representando Michael, a oferta tinha que ser apresentada através de mim.

Nós também tínhamos ouvido da secretária de Bill Bone , Gigi De Long, que investidores japoneses haviam estado inspecionando o rancho e estavam interessados em comprá-lo. Isto certamente colocou pressão adicional em nós para fazer nossa oferta para o proprietário. 

A fim de fazer chegar a oferta a Bill Bone, Bill Bray e eu tínhamos que voar para Denver com os 200.000 dólares e a oferta. Bill Bone estava esquiando em Aspen e não queria voltar a Palm Desert.

Nós encontramos Bill no Pilot's Lounge e apresentamos a oferta a ele. Ele olhou-a e estava absolutamente devastado. Seus olhos lacrimejaram e ele começou a chorar. Ele disse: "Eu não posso acreditar que vocês fariam isso comigo.  Esta oferta é totalmente inaceitável. Eu nem vou sequer discuti-la. Não há nada do que conversar. Não vou nem mesmo molestar-me em responder. Ele terminou por dizer que se eu fosse um homem, ele teria me dado um soco lá fora e depois.

Bill Bray nos olhava com a boca aberta e ele estava olhando alternadamente em mim e Bill Bone. Ele não me ofereceu proteção e olhou como se ele preferisse estar em qualquer outro lugar que uma testemunha de uma conversação.

Eu não sabia o que fazer. Eu disse: "Bill, este é somente o começo do processo para obter o preço que você quer para o seu rancho. Por favor, perdoe-me, mas celebridades gostam de conseguir um negócio somente como ninguém mais. 

Bill respondeu: "Eu lidei com celebridades. Eles todos querem alguma coisa por nada. Eles não me impressionam."

Eu implorei a Bill Bone por uma contraoferta, mas ele recusou. Nós não tivemos outra escolha a não ser retornar a Los Ângeles. Eu informei John Branca do que tinha acontecido e ele me disse que suas mãos estavam amarradas e tudo dependia de Michael. 

Felizmente Michael me telefonou da turnê e disse: "O que vamos fazer agora?"

Eu disse a ele que ele tinha que fazer uma oferta mais alta e que nós tínhamos que estar conscientes que os investidores japoneses também estavam interessados em fazer uma oferta.

Michael disse: "Eles não podem vender o rancho para eles."

Mas, novamente, ele deferiu para John Branca que deixou de lado o fato de que os investidores japoneses estavam interessados e autorizou uma oferta de somente um milhão a mais.

Uma oferta de 14 milhões de dólares foi feita em 20 de julho de 1987. Esta oferta também foi inaceitável e outro insulto para Bill Bone cujo rosto tornou-se vermelho beterraba de raiva. Eu protestei fortemente que essas ofertas eram ridículas e, assim, John. Branca autorizou uma terceira oferta em 4 de setembro, de 14 milhões e 250 mil dólares.

Neste ponto eu me desesperei de que a transação nunca iria ser finalizada. A secretária de Bill Bone contou-me que ele tinha perdido toda a fé em mim para manusear essa enorme transação e obter a oferta correta para a sua magnífica propriedade. Minha resposta foi lembrar a ela que eu estava legalmente obrigada a apresentar todas as ofertas independentemente de quão baixas elas poderiam ser. Secretamente, eu entendi a frustração dele, bem como a de meu cliente, Michael Jackson.

Michael estava viajando em turnê e chamando-me constantemente todas as horas do dia e da noite para ter certeza de que ele não tinha perdido o rancho para ninguém mais e receber feedback na resposta da última oferta.  Ele queria um relatório diário com minha descrição minuto a minuto, desde que era claro que ele queria comprar este rancho. Ele estava preocupado, temendo  a conexão dos japoneses poderia comprar o rancho de Bill Bone.

Impossível que possa parecer, este processo continuou por poucos meses mais. Depois que uma oferta foi recebida e recusada, eu discutiria a situação com John Branca e finalmente outra oferta foi autorizada que deveria ser de 250 mil dólares ou então, mais do que a oferta anterior. Foi uma paródia que continuou a embaraçar Bill Bone, GiGi De Long - e eu.

Negociações com Bill Bone não estavam indo bem, como ele manteve seu preço bem acima do valor de mercado. Ele estava furioso que as ofertas que nós fizemos estavam tão baixas e nem sequer as respondia.

Eu implorei com ele em favor de Michael e de mim mesma. "Desde que você não foi capaz de chegar perto para obter seu próprio preço com ninguém em qualquer lugar", eu disse a Bill Bone, "Por que não aceitar a oferta de Michael agora?"

Bill Bone novamente argumentou que preferiu dividir a propriedade em pequenos ranchos, em parcelas de cinco acres, assim, ele poderia obter seus trinta e cinco milhões de dólares.

Eu sabia que ele não poderia, então eu respondi: "Você não pode fazer isso uma vez que a Williamson Act não permite isso." (A Williamson Act era firmemente em lugar, uma lei especial para impedir que grandes parcelas de terra fossem subdivididas , assim, ranchos dedicados a agricultura não podiam ser divididos em parcelas de cinco acres.) Bill Bone assumiu que eu não conhecia lei imobiliária. Mas meu marido e eu fomos proprietários de uma firma de desenvolvimento urbano e nosso negócio consistia em subdividir terras em cinco e dez parcelas que nós vendemos para investidores do Japão, China e Hawaii. Por causa da Williamson Act, nós paramos de vender terras em pequenas parcelas.

Finalmente, em 18 de dezembro de 1987,  nós fizemos uma oferta de 17 milhões de dólares pelo rancho e isto resultou ser um sucesso. John Branca, que sempre concluiu todos os contratos por Michael Jackson, começou o trabalho de elaboração dos documentos e finalizando a negociação no final de dezembro de 1987. O acordo para a compra e venda foi assinado em 28 de fevereiro de 1988.

O Sycamore Valley Ranch se transformou em Neverland.

Por Will Berlin:

"Eu nunca esquecerei uma das primeiras chamadas que Michael fez para o nosso escritório um dia em 1987, quando eu estava lá administrando o escritório. Eu atendi o telefone: "Alô, Berlin Financial, posso ajudá-lo?"

Uma voz muito profunda, soando quase como um robô eletrônico, mas real o suficiente para ser uma voz humana vindo da linha e perguntando: "Gloria está?"

Eu respondi com um pouco de atraso, uma vez que eu nunca tinha ouvido uma voz como esta em minha vida. Eu disse à pessoa: "Não, Gloria não está. Ela está trabalhando no campo hoje."
A profunda voz disse: "Ela vai estar mais tarde? Eu preciso falar com ela."

"Sim, ela estará de volta depois das cinco ou seis para jantar. Eu respondi e em seguida perguntei: "O que quer? Quem é você?"

De-repente eu ouvi um click na linha, em seguida uma risada, tudo de uma inesperada voz que disse: "É Sr. Jackson."

"Michael, como pode ter mudado sua voz assim?" eu perguntei.

"É um dispositivo eletrônico que eu carrego comigo." Assim, quando eu telefono para pessoas importantes e que eu preciso falar, eu não preciso falar com todos que estão ao redor."

"Muito legal Michael," eu disse. "Isto deve acontecer muitas vezes."

O dispositivo que Michael estava falando era pequeno o suficiente para caber na palma da sua mão, mas pode mudar sua voz para uma profunda voz de homem, ou, com um click de um botão, você pode soar como uma mulher com uma voz aguda. Michael usava esse dispositivo frequentemente para disfarçar sua voz, de forma que, quando ele fazia chamadas, ele podia evitar falar com pessoas amigas, associados, ou crianças que deveriam todos querer falar para Michael se soubessem que era ele no telefone. Aquele dispositivo fez a vida de Michael mais simples, e eu tinha a sensação que ele estava muito apegado a isso. Ele ria quando chamava pessoas como Elizabeth Taylor, seus irmãos ou amigos, e conversava com eles naquela profunda voz, que poderia assustar terrivelmente a pessoa que atendia o telefone.

Michael sempre estava na ponta da tecnologia. Ele foi a primeira pessoa, no início dos anos 80, a ter um telefone celular e estar apto a fazer chamadas ao redor do mundo em sua limusine. Naquele tempo, era um desses modelos como tijolos, não com o tamanho do bolso que conhecemos hoje.

 VOLTAR PARA:


2 comentários:

  1. Relendo o último parágrafo dessa postagem.. até Michael teve um celular ''tijolo'' kkk

    Eram horriveis, eu me lembro.. sistema analógico.

    Na época, claro, um sucesso.

    ResponderExcluir