domingo, 20 de janeiro de 2013

LIVRO MY FAMILY, THE JACKSON'S - CAPÍTULO 9 (BY KATHERINE JACKSON)


'Eu nunca vou esquecer o sermão que LaToya, Janet e eu recebemos de Michael um dia, quando aconteceu dele nos encontrar relaxando em frente à TV.

"Vocês não sabem que vocês estão simplesmente perdendo um tempo precioso?" ele repreendeu.

"Levantem-se e façam alguma coisa! Escrevam uma canção! Eu me sinto culpado em ficar apenas sentado, quando eu sei que eu posso estar fazendo alguma coisa."

Michael não estava disposto a se sentar e se sentir culpado no final dos anos 70. Mesmo que os Jacksons estivessem em uma encruzilhada em sua carreira, o grupo simplesmente não pôde conter suas ambições de crescimento por mais tempo. O álbum Destiny, de fato, foi lançado entre dois projetos solo desafiadores.

O primeiro foi seu personagem do Espantalho em The Wiz, na versão negra de O Mágico de Oz.

Michael tinha falado sobre se tornar um ator desde os anos 70. Ele havia se apresentado em uma série de programas durante as séries de TV dos Jacksons em 1976, mas achou aquele trabalho insatisfatório. The Wiz foi muito mais a seu gosto.

Michael tinha visto a versão de The Wiz  na Broadway, com Tony ganhando um prêmio. Ele havia seguido com interesse a compra dos direitos do filme pela Motown, assim como os Jacksons estavam deixando o selo.

Quando Diana Ross foi nomeada para interpretar Dorothy, Michael teve mais incentivo para conseguir um papel no filme, ele tinha sido apaixonado por ela desde que ele e seus irmãos tinham sido seus hóspedes.

"Você não é bonita, até você começar a olhar como Diana!" Ele costumava brincar com LaToya e Janet.

O fato de que nós ainda estávamos sendo processados pela Motown na época, fez Michael querer saber sobre suas chances de ganhar um papel em The Wiz.

Mas com o incentivo de Diana, ele foi em frente e fez o teste na frente do diretor Sidney Lumet, para o papel do Espantalho. Para a alegria de Michael, o Sr. Lumet amou a sua audição e o escolheu para o papel.

Estar envolvido em The Wiz foi tão emocionante para Michael. Lembro-me dele dando pequenos gritos entusiasmados ao ler o roteiro no seu quarto.

Ele estava particularmente emocionado de estar trabalhando com um diretor de tanta reputação como o Sr. Lumet, cujos créditos incluem SerpicoMidnight ExpressDog Day Afternoon e Twelve Angry Men.

Ele tornou esse fato conhecido por todos em torno da casa. "Todos" naquela época incluía Joe e eu, assim como LaToya, Randy e Janet.

Porque eles ainda viviam em casa, Michael, Janet e LaToya estavam especialmente próximos. De alguma forma, Janet e LaToya tinham a capacidade de transformar o meu filho cada vez mais recluso, orientado para o Michael alegre da idade - mesmo que apenas por um tempo.

Eles gostavam de jogar piadas uns sobre os outros. Michael especialmente atormentava LaToya com aranhas e tarântulas falsas. Ele colocava uma de suas criaturas de plástico em cima do telefone em seu quarto, a chamava e ouvia seus gritos.

Sabendo como ela era especial sobre seu quarto, ele também se deliciava cruzando através da porta e saltando sobre sua cama, com seus lençóis de cetim branco.

"Eu vou te ensinar a não ser tão exigente!" Ele exclamava em meio aos gritos furiosos dela.

Tendo sido informado por Michael que ele estava tão orgulhoso de trabalhar com Sidney Lumet, LaToya concebeu a brincadeira da vingança de todos os tempos.

Um dia, pouco antes de Michael partir para Nova York para começar a filmar, ele recebeu uma ligação em seu telefone particular da ''secretária do Sr. Lumet". Sr. Lumet estava no bairro, a voz anunciou, e estaria parando em cinco minutos, para levá-lo para jantar.

Michael não sabia o que fazer primeiro, ele não estava vestido, e seu quarto estava uma bagunça. De alguma forma, em cinco minutos se fez apresentável, arrumado e correu de porta em porta informando a todos com entusiasmo:

"Sidney Lumet está vindo para me levar para jantar!"

Ele então sentou-se e esperou que a nossa segurança o informasse que o Sr. Lumet tinha chegado. E esperou. Eu sentei com ele, eu também acreditava que o diretor estava por vir.

Finalmente, LaToya confessou: "Michael, Sidney Lumet não está levando você para jantar. Era eu ao telefone!"

Eu nunca vi Michael com tanta raiva. Ele arrastou LaToya para fora e a molhou da cabeça aos pés com a mangueira.

Assim, Michael não estaria sozinho em Nova York, sua parceira nas brincadeiras o acompanhou. Eu também lhes fiz uma visita. Eu não queria apenas ver como Michael estava, mas eu queria ver como era a vida em um filme.

Eu observei a filmagem da cena em que Nipsey Russell, que interpretou o Homem de Lata, canta "Coloque um pouco de óleo para mim." Essa cena foi refeita tantas vezes naquele dia, que eu finalmente perdi a conta. Eu deixei o set com um novo respeito pelo trabalho duro que os atores têm que fazer.

Michael teve que mostrar sua fortaleza no set, mesmo quando as câmeras não estavam gravando. Por exemplo, ele teve de suportar sessões diárias de quatro horas de maquiagem para se tornar o Espantalho.

Enquanto eu não podia ver como ninguém, especialmente o hiper Michael, poderia ficar parado por muito tempo, ele não se importava com isso. Uma das razões pela qual ele gostava de fazer (a maquiagem) todos os dias, francamente, é porque sua pele ainda estava causando-lhe sofrimento.

Depois das cenas do dia serem gravadas, Michael teria sua maquiagem removida, seus olhos estavam vermelhos e sua pele manchada. Um dia, ele estava deixando o set e alguns fãs esperando do lado de fora comentaram: "Ei, aquele cara usa drogas!"

Michael explicou pacientemente que ele não tocava em drogas, que ele estava usando maquiagem todos os dias.

Michael também teve de lidar com o clima congelante. Ele me contou sobre uma cena de dança enorme no World Trade Center, em que cerca de 600 dançarinos vestidos com figurinos leves ficaram com tanto frio que pararam no local. E no entanto, Michael alegou, o frio não o incomodava. Sem dúvida, ele tinha sido temperado por todos os invernos de Gary.

Diana Ross foi um grande apoio durante as gravações. Michael se referia a ela como "minha mãe" no set. Ela tinha o hábito de verificar ele em seu camarim a cada manhã. No entanto, houve alguns momentos durante os ensaios de dança quando Diana estava, provavelmente, muito chateada com Michael.

Michael aprendia os movimentos da dança do coreógrafo tão rapidamente que ele acabou involuntariamente se mostrando a todos os outros, incluindo Diana.

"Michael, espere um minuto!" Ela teve que dizer a ele. "Não faça isso tão rápido. Você está me fazendo parecer ridícula!"

The Wiz teve sua estréia em Los Angeles, em Century City. Era minha primeira estréia de um filme e isso era tudo que eu pensei que seria: estrelas, brilho e fãs delirantes.

Infelizmente, o filme em si teve uma recepção áspera dos críticos e decepcionou nas bilheterias. O único Oscar para o qual The Wiz foi indicado  foi para a cinematografia do filme.

No entanto, havia uma fresta de esperança para Michael: Apesar das mais duras opiniões, havia elogios por sua atuação. A cena em que seu Espantalho desce do seu pólo de forma vacilante e ainda graciosa, foi apontada como um dos destaques do filme.

Mas eu sei que o comentário que mais importava para Michael era o de Sidney Lumet:

"Michael é a pessoa mais jovem e talentosa desde James Dean - um ator brilhante, um dançarino fenomenal, um dos talentos mais raros com o qual eu já trabalhei. Isso não é publicidade."

Michael considerou The Wiz como um grande aprendizado. Mas, mesmo que seu envolvimento tenha sido um desastre de outras maneiras, valeu a pena por uma razão: Durante as filmagens, ele conheceu o homem destinado a ajudá-lo a fazer a história da gravação.

O encontro ocorreu de forma cômica. Michael estava fazendo uma cena em que ele teve que retirar um pedaço de papel de sua palha e ler o conteúdo, uma das citações. Quando chegou ao nome do autor, Sócrates, ele pronunciou errado, como So-Crá-Tes.

"Só-cra-tes", um homem que estava perto sussurrou amavelmente.

Esse homem, a quem Michael não tinha formalmente encontrado ainda, era Quincy Jones, compositor de pontuação do filme.

Michael e Quincy desenvolveram uma estreita relação no set. Era natural que Michael fizesse contato com Quincy quando, em 1979, ele decidiu gravar um álbum solo "para mostrar que eu posso fazer isso por mim mesmo, que o meu talento não depende de mais ninguém."

De acordo com Michael, ele só queria ideias de Quincy Jones sobre quem ele deveria pedir para produzir o álbum. Michael não queria a pressão adicional de tentar produzir sozinho seu álbum.

"Eu vou te dizer o quê", Quincy disse, depois de uma pausa. "Por que você não me deixa fazer isso?"

Michael e Quincy aparentemente tinham feito tudo no mundo da música, produzindo sucessos pop de Leslie Gore, It's My Party em 1963; tocando trompete na banda de Ray Charles; fazendo frente em sua própria banda de jazz, compondo a pontuação de filmes como Night and In Cold Blood e servindo como diretor musical para a minissérie de TV Raízes.

Mas quando vazou que Quincy iria trabalhar com Michael, um dos nossos amigos nos negócios da música advertiu a mim e a Joe:

"Não deixe Quincy fazê-lo. Ele não conhece dance music e além disso, ele não teve um acerto com as outras pessoas que ele tem produzido recentemente. Ele vai bagunçar a carreira de Michael."

Passamos essa informação para Michael, mas Michael não estava preocupado. "Eu acho que Quincy e eu podemos trabalhar bem juntos", ele respondeu. O que gradualmente se tornou evidente.

Porque Quincy não tinha uma grande experiência com dance music, ele encorajou Michael a co-produzir as três músicas que ele escreveu: Don't Stop 'Til You Get Enough, Working Day and Night e Get on the Floor (com co-autoria de Louis Johnson).

Gostei especialmente do toque de percussão incomum que Michael adicionou a Don't Stop 'Til You Get Enough - o som de paus batendo em garrafas. Jackie e Randy foram os designados para as garrafas.

A primeira vez que ouvi Don't Stop.., eu pensei que tinha o som de um sucesso número um. Mas eu tinha sentimentos mistos sobre o título.

"Michael, você sabe que essas palavras podem ser interpretadas de mais de uma maneira", eu apontei.

"Se você pensar de uma maneira suja, vai significar, mãe!", Michael respondeu. "Mas não é isso que eu quis dizer."

Quincy revelou seu ouvido para uma grande música, trazendo para Michael várias músicas escritas por Ron Temperton, que havia trabalhado com o colega da Epic, Heatwave. Entre eles estava o meio-termo Rock With You e a canção fadada a ser música-título do álbum, Off the Wall.

Também sabendo o quanto Michael gostava de cantar baladas, Quincy encontrou uma boa com She’s Out of My Life de Tom Bahler, com a qual Quincy fez um trabalho tão bom na orquestração.

Off The Wall foi lançado no verão de 1979. Anunciando o seu lançamento estava o primeiro single do álbum, Don’t Stop ‘Til You Get Enough, que chegou ao número um em setembro.

Rock With You, o segundo single, foi número um também. Seu reinado de quatro semanas começou em dezembro e terminou em janeiro, tornando-se a primeira música número um dos anos 80 - ''um bom presságio'', pensei.

Off The Wall, terceiro single do álbum e She’s Out of My Life, o quarto, também atingiram o Top 10.

Com todos aqueles sucessos impulsionando, o álbum de Michael se tornou um sucesso. Ele permaneceu no Top 10 da Billboard por sete meses, vendendo cinco milhões de cópias nos Estados Unidos. Também classificado no topo das paradas na Grã-Bretanha, Austrália, Canadá e Holanda.

De repente, Michael Jackson, artista solo, tornou-se uma estrela mundial. Michael estava em êxtase. Um leitor dedicado das revistas comerciais, ele vinha para o meu quarto carregando uma pilha delas, as espalhava por toda a minha cama, abria as revistas nas paradas e acompanhava o andamento de seu álbum e do seu single mais recente comigo.

Ainda assim, o deleite de Michael com a recepção que Off The Wall recebeu foi temperado, no final, pela decepção. Impulsionado como ele é, ele não só queria ganhar o reconhecimento do público, mas também a dos meios de comunicação e seus pares no mundo da música. Aos seus olhos, ele não teve sucesso nas últimas duas frentes.

Em relação aos meios de comunicação, o sonho de Michael era ter uma matéria de capa, em uma ou mais das revistas de consumo. Ele mesmo ligou para vários editores de revistas para sugerir a sua história. Mas ele não recebeu ofertas.

"Eu tenho dito repetidamente que as pessoas negras nas capas não vendem nossas revistas", Michael irritou-se um dia. "Mãe, é só esperar. Algum dia, essas mesmas revistas vão me implorar por uma entrevista."

Michael mostrou o desafio neste mesmo dia, em janeiro de 1980, quando as nomeações para a vigésima segunda edição do Grammy Awards foram anunciadas.

Apesar dele ter recentemente vencido em três categorias no American Music Awards que, ao contrário do Grammys, são votadas pelos fãs, ele foi indicado para apenas um único GrammyMelhor Performance de R & B (que ele acabou vencendo).

"Eu não posso acreditar", disse Michael, com lágrimas nos olhos, depois que ele soube das indicações ao Grammy.

"Mas está tudo bem. Meu próximo álbum solo vai ser tão bom que os eleitores do Grammy não terão escolha a não ser  reconhecê-lo."

Tradução: Rosane - blog Cartas Para Michael

VOLTAR PARA
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário