quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

LIVRO MY FAMILY, THE JACKSON'S - CAPÍTULO 14 (BY KATHERINE JACKSON)


''Quando perguntaram a Michael em 1981 se, aos 23 anos, ele estava pensando em se mudar por conta própria, ele respondeu:

"Oh, não. Eu acho que eu ia morrer sozinho. Eu me sentiria muito sozinho."

No ano seguinte, ele noticiou que tinha a intenção de permanecer em casa pelo menos por mais alguns anos, quando ele anunciou-me um dia: "Mãe, é hora de uma nova casa."

Até então já tínhamos vivido em nossa casa em Encino por onze anos. Que não tinha sido muito "California" para nós; os moradores de Los Angeles pareciam mover-se a cada vários anos. Então, eu estava pronta para uma mudança de ambiente.

Michael, LaToya, Janet, Joe e eu olhamos para algumas casas. Mas nós ficamos chocados com a alta dos preços. O ramo imobiliário de Los Angeles, soubemos, tinha se valorizado muito desde 1971.

"Por que mudar?" Concluimos. "Vamos reformar, ao invés!''

Depois de rejeitar os planos de um arquiteto para uma casa totalmente nova, decidimos simplesmente remodelar a nossa casa existente e adicionar um segundo andar para os quartos.

Gostamos dos planos de remodelação que um segundo arquiteto elaborou. Desde que ele era também um empreiteiro, o contratamos para fazer o prédio também. Mas, para nossa consternação, ele ''rasgou'' toda a casa para baixo e fez uma nova fundação!

"Você chama isto de remodelação?", eu perguntei a ele. Nós o demitimos.

No entanto, mantivemos seus planos. Nós contratamos outro construtor para continuar o trabalho.

Enquanto a casa estava em construção, Michael, LaToya, Janet e eu nos mudamos para um condomínio próximo que nós possuímos. Joe permaneceu em uma pousada na propriedade, para ajudar a proteger contra invasores.

Ainda assim, como vazou a notícia sobre a construção, invasores apareciam quando ele não estava por perto. Alguns dos vários discos de ouro dos meninos foram roubados da casa de hóspedes, assim como outros objetos.

Um dia, Michael, LaToya, Janet e eu nos deparamos com um saque em andamento. Eu não sei quem estava mais assustado, os saqueadores ou nós. Correram em uma direção, escalaram uma parede, enquanto que fugimos na direção oposta, de volta ao nosso carro.

Depois disso, decidimos contratar uma equipe de segurança para fazer ronda. Guardas de segurança são um elemento em nossa casa, desde então.

A inconveniência de ter que mudar temporariamente valeu a pena quando, em 1983, a nossa casa foi finalmente concluída e fomos capazes de retornar. Como Michael tinha se oferecido para pagar a nova construção, seus toques abundavam.

Foi ideia dele, por exemplo, que a casa fosse em estilo Tudor Inglês, em grande estilo. Eu não gosto de Tudor - eu acho que eles são escuras e assustadoras - mas eu segui com ele quando ele concordou em ter um monte de janelas para trazer a luz. O resultado final foi uma das mais charmosas Tudors já construídas.

Como Michael era um grande fã da Disneylândia, com sua própria suíte no hotel na Disney, muitas de suas ideias foram inspiradas nela.

Por exemplo: a sua mini-versão da Main Street, EUA, ao lado da garagem, dividindo espaço com uma loja de doces e uma sala com janela panorâmica onde ele guardava sua coleção de brinquedos e bonecos antigos, assim como as placas de madeira que continham a seguinte mensagem da Disney talhada à mão:

SIGA SEUS SONHOS, ONDE QUER QUE ELES O LEVEM.

Michael estava tão fixado na Disney que ele mesmo queria reservar um dos quartos no térreo para uma mini-atração dos Piratas do Caribe! Ele foi tão longe a ponto de consultar um técnico da Disney sobre o projeto. "Haverá um tiroteio pirata, canhões e armas", ele disse a um repórter, na época. "Eles só vão gritar um com o outro e eu vou ter as luzes, sons, tudo."

Quando eu ouvi sobre esse toque da Disney, eu coloquei meu pé no chão.

"Nós simplesmente não podemos ter isso, Michael", eu disse. "É um pouco demais."

"Mãe, eu quero", ele insistiu.

"Por favor, não podemos. Deixe-me fazer uma sala de jantar para fora da sala."

Michael finalmente cedeu, mas ficou decepcionado.

Ele, no entanto, recebeu bem duas das ideias que tive para o seu quarto.

Desde que o seu quarto tinha uma boa altura, eu sugeri colocar um segundo andar contendo uma segunda lareira - havia uma no andar de baixo - e um segundo banheiro. Michael instalou uma cadeira de barbeiro no banheiro para seus cortes de cabelo.

A cama Murphy* de Michael também era um transtorno.

(Nota do blog: Uma cama Murphy é uma invenção americana, é uma cama articulada numa das extremidades para armazenar verticalmente contra a parede, ou seja, você a levanta e ela se transforma em um armário.)

"Onde você vai dormir se você ficar doente?" Eu falei depois que Michael anunciou que tinha a intenção de dormir em um saco de dormir, em vez de uma cama, de modo que ele teria muito espaço para praticar sua dança.

A cama Murphy parecia o compromisso ideal, quando a dobrasse contra a parede, você nem sabia que estava lá. Tudo o que você veria eram painéis de madeira.

Mas a melhor ideia que eu tive para a nossa nova casa era ter uma pequena saleta sob as escadas. Eu estava com medo que, uma vez que todo mundo estava indo para ter o seu próprio quarto e televisão, não estaríamos passando tempo suficiente juntos como uma família, à noite.

A saleta foi um sucesso desde a primeira noite. Além de assistir TV, as crianças e eu jogávamos diversos jogos de tabuleiro, incluindo o meu favorito, Scrabble, e um jogo de Michael feito em que um jogador escolhe duas cartas e os outros jogadores tentam pensar em um nome de uma celebridade que começa e termina com essas letras.

Outras características especiais da casa incluía m um ginásio no andar de cima e, no térreo, uma sala de jogos equipada com os mais recentes jogos de vídeo, uma sala de cinema com 32 lugares e, fora do hall de entrada, a sala de troféus dos meninos.

Michael tomou para si decorar as paredes da sala de troféus com placas, estatuetas de ouro e prêmios, discos de platina ao redor do mundo, capas de revistas, as ''chaves das cidades'', imagens de discos e o prêmio mais impressionante da sala, um painel de seis metros de comprimento da Branca de Neve e os Sete Anões, presente da Walt Disney para Michael, em agradecimento, eu imagino, por toda a publicidade gratuita que ela ganhou com ele.

A sala de troféus foi uma das muitas salas que tiveram o toque das mãos de Michael na decoração.

Até então, ele havia se tornado um colecionador de arte, especialmente estatuário antigo europeu, ornamentos em bronze e relógios de ouro. Muitas das peças encontraram o seu lugar na sala de estar e no hall de entrada.

No começo eu estava subjugada por eles. "Eu me sinto vivendo em um museu", eu disse para Michael.

Michael estava tão orgulhoso de suas peças que ele tinha luzes instaladas no teto, de modo que à noite elas poderiam ser acesas na sala, de uma forma suave. Ele amava o efeito, mas para mim era assustador.

"Vire algumas luzes!" Eu exclamava quando eu estava tentando encontrar meu caminho de volta para baixo.

Eu não tinha tanta certeza sobre algumas das outras ideias de Michael para a decoração.

Para a saleta sob as escadas, por exemplo, ele colocou um enorme relógio em cima da lareira. ''O relógio vai dominar esta sala'', eu pensei. Na mesma sala, em uma das paredes, ele instalou um vitral de uma janela de castelo. ''Essa janela vai fazer esta sala parecer uma igreja'', eu disse a mim mesma.

Sempre que eu ia questionar Michael diretamente sobre uma de suas compras, ele respondia:

"Confie em mim, mãe, ele vai ter um visual muito legal."

Ele é tão confiante em seus gostos. No caso do vitral, ele estava certo, é bonito. Quando o sol está brilhando, as flores e o telhado do castelo parecem ser iluminados.

Eu sei que Michael acha que suas ideias de decoração são melhores que as minhas. Ele simplesmente não conseguia ficar à vontade com a pintura de uma menina que eu tinha orgulhosamente pendurado na sala de jantar, por exemplo.

"Toda vez que olho para aquela menininha, eu sinto que ela está olhando de forma torta para mim", reclamou um dia. Eu estudei o rosto da menina e, com certeza, ela tinha um olhar ligeiramente estrábico.

"Você sabe, Michael, você está certo sobre os olhos da menina", eu disse.

Não muito tempo depois, notei que a pintura havia sido removida. Em seu lugar, Michael tinha pendurado o quadro de um menino.

Havia um projeto de decoração de Michael que ele estava determinado a manter em segredo.

"Não suba no sótão", ele continuou a me avisar. O "sótão" era o nome que tinha dado aos dois quartos pequenos acima da garagem. Aqueles eram os quartos nos quais ele estava trabalhando.

"Bem, eu não vou", eu assegurei a ele. Mesmo se eu quisesse bisbilhotar, o que eu fiz, eu não podia. Michael mantinha a porta trancada. Se sabia que Michael estava preparando um presente para a família em dos quartos.

Um dia, finalmente, Michael disse: "Eu quero que toda a família se reúna. Nós vamos ter uma festa. Eu quero lhes mostrar o que eu fiz para o sótão."

Michael não teve que puxar pelo braço de ninguém para levá-los a aparecer. Até então Joe e as outras crianças estavam tão curiosas quanto eu sobre o projeto misterioso de Michael. Michael trabalhou até o último segundo no sótão.

Mesmo quando estávamos todos reunidos na sala de jantar no dia marcado, saboreando os aperitivos que sua chef Rane havia preparado para nós, Michael ainda estava correndo por aí com os seus operários, tentando dar os últimos retoques em seu projeto especial. Algo deve ter dado errado, porque em um ponto eu o vi em lágrimas.

Seja qual tenha sido o problema, aparentemente, Michael o resolveu. Finalmente, ele apareceu na sala de jantar parecendo muito mais feliz.

Pedindo a atenção de todos - Michael sempre um showman - ele anunciou: ''Eu tenho uma surpresa para vocês."

Com isso, ele silenciosamente nos conduziu para fora e para a porta que dava para o sótão. Subimos as escadas em fila única. Eu não sei quem era o último da fila, mas ele ou ela deve ter morrido por antecipação. Todo mundo que chegava ao topo das escadas,soltava um grito.

O que Michael fez foi transformar os dois quartos em uma versão fotográfica de This Is Your Life, estrelado pela família Jackson. Na parede, uma placa com a seguinte mensagem:

'Tirar uma foto é capturar um momento, parar o tempo. É preservar a maneira como éramos, a maneira como somos. Dizem que uma foto fala mais que mil de palavras. Assim, com essas fotografias eu vou recriar alguns momentos maravilhosos e mágicos nas nossas vidas…'

Michael tinha conseguido as fotos de minha coleção pessoal. Um dia, quando eu não estava por perto, ele as 'roubou' do meu quarto, abriu a mala onde eu as guardava e fez tudo sozinho. As ampliações das fotografias cobriam cada centímetro de espaço disponível na parede.

Rebbie: ''Nós todos ficamos muito impressionados, muito emocionados. Michael estava nos observando para ver nossas reações, porque era, obviamente, tão importante para ele que tivéssemos gostado do que ele tinha feito.''

Em 1985 Michael também tinha começado a dar efeitos especiais pessoais ao sótão, transformando-o em uma combinação de galeria da família Jackson com um museu Michael Jackson.

Entre as memórias estava uma coleção de suas jaquetas cintilantes das turnês, cada uma guardada em estruturas de plexiglas de cinco metros de altura (semelhante a estruturas em acrílico transparente - nota do blog) e rotulada com a(s) ocasião(ões) para as quais foi usada, ou seja, Victory Tour, Kansas City, noite de aberturaEstrela na Calçada da Fama em Hollywood e Presidente Regan Visita à Casa Branca / Grammy 1984.

Em outro caso, Michael usou as plexiglas para guardar um número de suas luvas de lantejoulas personalizadas.

Mas a exposição mais atraente tinha que ser sua coleção de estátuas de cera de Michael Jackson - três delas. Uma tinha sido dada de presente a Michael pela equipe do Livro Guinness de Recordes Mundiais, uma pelo Museu de Cera Movieland em Buena Park, Califórnia e a terceira pelo Museu de Cera Madame Tussaud em Londres.

Elas foram posicionadas em vários cantos, dando aos visitantes a sensação de que eles não estavam sozinhos enquanto percorriam as duas salas.

Michael gostava tanto de estar no sótão que ele colocou um sistema de som e sua pista de dança portátil lá em cima, para que ele pudesse dançar no meio das memórias. O sótão se tornou um dos seus retiros depois que ele voltou para casa, após a Victory Tour.

Mas então, também, fez o seu quarto de dois andares, e a sala de jogos, sala de cinema e ginásio.

"Eu estou colocando todas essas coisas", ele disse durante a construção da casa, "para que eu nunca precise sair e ir lá fora".

Quando Michael e eu visitamos a Disney World durante um dos intervalos da Victory Tour, eu vi em primeira mão como era difícil para ele se aventurar em público como um superstar.

A noticia que Michael Jackson estava lá naquele dia se espalhou pelo enorme parque de diversões como rastilho de pólvora. Antes que soubéssemos, estávamos cercados por um mar de pessoas. Por fim, a equipe de segurança da Disney World teve que mapear uma rota para que nos pudéssemos sair do parque.

Michael só tinha de olhar para a câmera de circuito fechado para ser lembrado que, a qualquer momento, ele corria o risco de ser atacado se optasse por deixar a casa.

Quando Michael se encorajava, ocasionalmente ele recorria a disfarces. Em 1985 ele já havia feito uma coleção deles: dentes engraçados que mostram um monte de chiclete, bigodes falsos, óculos, chapéus, ''enchimentos'' para colocar em suas bochechas e - seu orgulho e alegria - um terno de gordura inflável.

Um dia eu me assustei, na cozinha, com um homem de aparência robusta, com um bigode e chapéu.

"O que você está fazendo aqui?" Eu exigi. Eu supus que a pessoa era um fã que de alguma forma conseguiu driblar a nossa equipe de segurança.

"Mãe, você não sabe quem eu sou!" Uma voz familiar gritou de alegria.

Essa foi a minha apresentação ao terno de gordura de Michael.

Tendo sido batizado como Testemunha de Jeová em 1983, Michael começou a usar o terno de gordura juntamente com alguns de seus disfarces faciais quando ele fazia o serviço de campo. Ele logo descobriu, no entanto, que nem todos eram tão facilmente enganados como sua mãe.

"Você sabe quem ainda me reconhece?" Michael disse, um dia, em reverência. "As crianças."

Michael geralmente dirigia-se ao Salão do Reino e seguia a sua rota de serviço. Ele tinha finalmente tirado a carteira de motorista em 1981, com a idade de 23. Inicialmente ele não queria aprender a dirigir.

"Eu vou pegar um motorista quando eu quiser sair", disse ele. quando eu comecei a importuná-lo sobre a obtenção de sua licença.

"Mas suponhamos que você está em algum lugar e seu motorista adoeça?" Eu argumentei.

Por fim, ele cedeu e teve algumas aulas.

Depois que ele começou a dirigir, Michael decidiu que ele gostava de estar atrás do volante, depois de tudo. A primeira vez que ele me levou para um passeio, ele se aventurou até Mulholland Drive, uma estrada sinuosa em Hollywood Hills. Foi uma experiência de arrepiar os cabelos.

"Eu tenho um caroço no meu pescoço e meus pés doem", disse LaToya, que também estava no carro, se queixando mais tarde. "Eu estava colocando 'o pé no freio' e 'segurava a direção' do carro com o meu pescoço, tentando mantê-lo na estrada. Eu fiquei com tanto medo!"

Foram momentos difíceis para mim, também. Michael dirigia rápido. Ele também tinha o mesmo hábito que eu tenho: dirigir até o carro na frente e parar a um centímetro de distância.

Depois disso, Michael começou a sair sozinho.

"Você não deveria sair sozinho", eu disse a ele. "Chame Bill Bray para ir com você."

Mas Michael não quis ouvir. "Estou cansado de ter seguranças comigo cada vez que vou a algum lugar."

Quando ele começou a dirigir, Michael me disse que ele nunca iria para as rodovias, ele achava que eram muito perigosas. Então, eu fiquei chocada, um dia, quando Michael subitamente nos levou para uma rampa na freeway.

"Espere um minuto, Michael, o que você está fazendo?"

"Eu posso dirigir nas estradas agora!", disse ele, rindo. Ele tinha mudado de ideia sobre as rodovias quando viu quanto tempo ele perdia para chegar em Los Angeles sem usá-las.

O primeiro carro de Michael foi uma Mercedes. Então, ele comprou um Rolls-Royce preto, que mais tarde foi pintado de azul.

Ele estava no Rolls quando foi parado um dia - não pelos fãs de fora do portão, mas por um policial de Van Nuys.

"Isto parece ser um carro roubado", disse o oficial. Ele não reconheceu Michael, que não estava usando um disfarce no dia.

Michael explicou educadamente que ele , de fato, era o proprietário do carro. Mas o oficial foi em frente e fez uma verificação no carro, e descobriu que Michael tinha uma multa pendente.

A próxima coisa que Michael sabia, ele estava sentado na prisão de Van Nuys. Bill Bray foi socorrê-lo. Eu nem sabia o que tinha acontecido, até que ele chegou em casa.

"Você deveria ter perguntado ao policial ''como se parece um carro roubado'', eu disse depois que ele relatou sua aventura. Talvez o policial pensasse que um jovem negro não pudesse ser dono de um Rolls.

Mas Michael não se afetou pela experiência, ele admitiu estar feliz.

''Eu consegui sentir como é estar em uma prisão!", exclamou.

Depois de ver o trabalho duro de Michael durante vários anos, eu fiquei contente que ele tentou buscar um equilíbrio entre o trabalho e lazer depois da Victory Tour, embora a maioria do seu lazer tivesse que acontecer em nossa propriedade, por causa das preocupações com a sua segurança.

Longo amante de animais, Michael passava um tempo com seu zoológico, que incluía Louis e Lola, as lhamas, Prínce e Princess, os cervos e Winter e Spring, os pavões. Por um tempo, Michael também teve uma girafa, Jabbar, mas os vizinhos reclamaram e Michael foi forçado a afastá-la.

Houve um ''bichinho'' que adotou Michael. Um dia ele estava comendo uma noz no quintal, quando um gaio azul desceu e a tomou da sua mão! Michael não podia acreditar, e ele correu para dentro da casa para pegar mais nozes, e Jay as agarrou, também.

A partir de então, Michael e Jay se tornaram amigos e Michael passou a apresentá-lo aos hóspedes.

O animal de estimação que provavelmente Michael mais gostava, no entanto, era Bubbles, seu chimpanzé. Ele estava procurando por um chimpanzé por um longo tempo. Ele era especial - ele queria um dos raros chimpanzés de cara branca.

Finalmente, Bob Dunn, cuidador e treinador de chimpanzés, encontrou Bubbles para Michael em 1983. Michael o teve ainda bebê, e ele tinha algo a ver com sua cara branca. Parecia um chimpanzé de boneco, não parecia real.

Em seu primeiro ano de vida, Bubbles viveu com Bob. Mas Bubbles viria à nossa casa para visitas. Ele dormia em um berço no quarto de Michael.

Era estranho para mim assistir Bubbles. Ele rodopiava no chão com os olhos fechados, como uma criança. Ele era inteligente, também.

Lembro-me de um dia em que Michael o repreendeu sobre a escolha de um pequeno objeto de uma tabela. Bubbles recuou para o canto da sala, mas ele ainda tinha sua mente no objeto. Enquanto Michael voltou sua atenção para outra coisa, Bubbles avançou seu caminho de volta para a mesa, assistindo Michael o tempo todo. De repente, ele pegou o objeto e correu de volta para o canto da sala com ele, tão orgulhoso de si mesmo. ''Ele é muito parecido com as pessoas'', eu pensei, enquanto o observava.

Enquanto Michael amava relaxar com seus animais de estimação, ele também gostava de brincar com seus convidados. Até então, ele tinha mais ou menos desistido de fazer amigos de sua idade. Mais e mais, ele era atraído pelas pessoas mais jovens e mais velhas do que ele. Michael resumiu seu amor por crianças em poucas palavras: "Elas não usam máscaras."

Tenho certeza de que uma das razões pela qual ele queria ter uma loja de doces completa com fonte de soda, era para o entretenimento de seus jovens convidados. Entre eles estavam fãs gravemente doentes ou morrendo, fãs que escreviam para ele. Um dia antes de uma visita de um deles, Michael perguntava à criança suas preferências para o almoço e para o filme.

Não importa o quão mal a criança pudesse estar, Michael conseguiria permanecer alegre e otimista durante a sua visita, ele é forte assim. Às vezes, depois que a criança tinha partido, no entanto, Michael deixava correr as lágrimas que ele estava segurando por dentro.

Se ele tivesse uma hora disponível, Michael também visitava os jovens fãs que se reuniam do lado de fora do nosso portão.

Um dia, um de nossos guardas de segurança de Michael entregou três envelopes grandes, que um quarteto de garotas estudantes tinha trazido para a casa. Quando Michael abriu os envelopes, ele ficou surpreso ao ver as palavras: Eu amo você, Michael Jackson, escrito 10.000 vezes em 181 folhas de papel de caderno.

A próxima coisa que as garotas souberam era que estavam sentadas na nossa sala de estar com Michael. Ele lhes contou como ele ficou tocado por aquilo que tinham feito, lhes perguntou quanto tempo levou para fazê-lo (72 horas), e lhes deu uma visita à sala de troféus, galeria de fotos e quintal.

Quanto ao seu interesse consumado pelas pessoas mais velhas, Michael também adorava brincar com os estudantes. Ainda fascinado com os filmes, ele se divertia especialmente na companhia de atores.

Uma das estrelas de cinema que por primeiro ele se tornou amigo foi Jane Fonda. Jane o convidou para o set de On Golden Pond em 1981 e, segundo Michael, "Nós tínhamos acabado de falar, falar, falar sobre tudo .... política, filósofos, racismo, Vietnã, atuar."

Outra amiga que ele fez na época foi Katherine Hepburn. Michael a visitou em seu apartamento em Nova York, e ela participou de um shows dos Jacksons no Madison Square Garden.

Michael se tornou próximo de uma série de outros atores, incluindo Marlon Brando, Elizabeth Taylor, Fred Astaire e Gregory Peck. Todos eles foram convidados em uma ou mais vezes nos jantares de Michael, repletos de estrelas.

Antes de Michael dar a sua primeira festa, eu estava um pouco nervosa por ele. ''Ele nunca fez isso antes'', pensei. Eu me pergunto como ele está indo. Mas Michael acabou por ser um bom anfitrião.

Michael planejava cuidadosamente seus jantares. Depois que os convidados chegassem, ele os levava para a sala, onde ele servia suco e vinho. Então ele os levava em uma excursão segundo os motivos do encontro, após o que eles todos se sentavam para um jantar preparado por sua chef (eu tenho certeza que Michael já estava feliz em termos uma sala de jantar formal em vez de uma cena de batalha dos Piratas do Caribe.)

Após o jantar, Michael passava um filme na tela. Uma vez a eletricidade caiu no meio da exibição, e Michael ficou tão envergonhado que, no dia seguinte, ele pediu para Bill Bray comprar um gerador para que isso não voltasse a acontecer. Esse foi o único problema que consigo me recordar de suas festas.

"Mãe, você é mais que bem vinda para se juntar a nós", Michael fazia questão de me dizer, no dia em que um convidado chegava para jantar. Mas eu sempre declinava. Na verdade, eu tinha certeza que eu estaria mais segura lá em cima, no meu quarto e na cama, antes que o convidado chegasse. Era assim porque eu sou tímida.

Mas uma noite eu não estava mesmo "segura". Sem aviso, Michael entrou com Yul Brynner! Eu estava tão zangada com ele, mas, claro, eu não demonstrei na frente do Sr. Brynner.

(Nota do blog: Yul Brynner é um ator premiado, da mesma geração de dona Katherine)

Como se viu, Yul Brynner era muito agradável. Depois que eles saíram eu estava irritada comigo mesma por ser e estar tão tímida, porque Michael tinha me surpreendido.

Michael é incrível. Eu não estou dizendo isso porque ele é meu filho, eu realmente o vejo dessa forma. Quando ele está com uma celebridade, ele "cresce" para a sua idade. Mas, então, ele tem a sua loja de doces e sua coleção de bonecos, e ele rola no chão com suas sobrinhas e sobrinhos como se ele fosse uma criança. Ele é jovem. Ele é maduro. Como eu disse, ele é incrível.

Eu acredito que Michael tinha esses encontros para ser mais sociável, durante esses anos, porque por muito tempo ele estava fazendo o trabalho de forma silenciosa, principalmente sobre compor e sobre negócios.

Em 1985, ele colaborou com Lionel Richie em We Are the World e também participou de sua gravação com todas as estrelas. A renda da canção ajudou no esforço de combater a fome na Etiópia. Naquele ano, Michael também concluiu a compra do catálogo ATV Music, incluindo 251 (músicas) de John Lennon - com colaboração de Paul McCartney.

Ironicamente, foi Paul quem primeiro deu a Michael a ideia de investir em belas canções, além de belas artes. Um dia, durante a visita de Michael com Paul à Escócia, Paul entregou-lhe um livro contendo todos os seus direitos autorais, entre eles clássicos de Buddy Holly. Michael estava espantado com a coleção de Paul... e inspirado.

Paul queria o catálogo ATV, mas ele desistiu da licitação muito antes de Michael (comprá-lo). Sinto muito se a compra da ATV pelo meu filho significou que ele e Paul não poderiam mais ser amigos.

Tenho certeza de que suas conversas com seus amigos célebres e outras pessoas de sucesso desempenharam um papel na decisão de Michael de comprar o catálogo dos Beatles. Investir é um de seus temas favoritos.

"Joe Louis fez um monte de dinheiro e ele morreu quebrado. Eu não quero que aconteça comigo", me lembro de Michael dizendo a John H. Johnson, presidente da Johnson Publications, editora da Ebony e Jet. "Será que você compartilha comigo qual o seu segredo em manter o seu negócio bem sucedido há anos?"

Em 1986, o trabalho de Michael começou a levá-lo mais para fora de casa. Ele colaborou com Francis Ford Coppola e George Lucas em Captain Eo, o filme em 3-D de 15 minutos que se tornou a mais nova atração da Disney World, em setembro. Michael estrelou como o jovem herói que traz luz e beleza a um planeta dominado por uma rainha vilã.

Em agosto, ele entrou no estúdio para gravar seu próximo álbum. Escrever canções para o seguimento do álbum mais vendido de todos os tempos tinha sido um projeto muito sério para Michael, desde o fim da Victory Tour. Eu ajudei a inspirar uma das músicas.

"Eu quero que você escreva uma música com um ritmo que se arrasta", eu lhe disse um dia. Eu tentei cantar para ele o que eu ouvi na minha cabeça.

"Eu acho que eu sei o que você quer dizer", disse ele, balançando a cabeça.

Uma ou duas semanas depois, Michael tocou para mim a música que ele tinha escrito.

"Isso é exatamente o que eu estava falando!" Eu exclamei.

"Eu sei", Michael sorriu.

A canção era The Way You Make Me Feel.

No entanto, Michael se recusou a tocar para mim qualquer das outras canções que ele tinha nas obras.

"Por favor, deixe-me ouvir, por favor, deixe-me ouvir", eu implorei.

"Não, mãe, espere até o álbum sair", Michael respondeu. "Para ser surpresa."

Michael, no entanto, estava muito feliz em me falar de suas expectativas para seu próximo álbum. Ele esperava que ele se tornasse o álbum mais vendido de todos os tempos.'' 

Tradução: Rosane - blog Cartas Para Michael

VOLTAR PARA

Nenhum comentário:

Postar um comentário