terça-feira, 29 de janeiro de 2013

LIVRO MY FAMILY, THE JACKSON'S - CAPÍTULO 13 (BY KATHERINE JACKSON)


''Ironicamente, quando Joe apareceu com seu plano sobre como Michael e seus irmãos poderiam passar o seu verão de 1984 aproveitando o sucesso de Thriller, ele já não era um funcionário em sua gestão.

Na primavera de 1983, seu contrato pedia uma renovação, e os meninos optaram por não assinar novamente com ele.

Jackie: ''Nós dissemos a ele: "Pai, deixe-nos fazê-lo agora. Eu acho que podemos lidar com isso." Então ele disse: ''Ok'' e saiu. Simples assim.''

Joe conseguiu agir tranquilo na frente de seus filhos. Mas, em particular, ele chorou.

"Eu não posso acreditar que eles estão se afastando de mim", disse ele. "Eu não entendo."

Eu chorei também. Mesmo que eu ainda não tivesse perdoado totalmente Joe por ser mulherengo, eu me senti triste por ele ter que assistir a seus filhos ir atrás de cuidar deles, depois de tantos anos.

Através de nossas lágrimas, no entanto, Joe e eu sabíamos que ele tinha sido geremte de Michael e dos Jacksons apenas no nome, desde os anos setenta.

Um homem cuja "esperteza" era de uma doce variedade - ele não tinha um diploma do ensino médio - Joe cometeu erros orientando as carreiras dos meninos, no início dos anos setenta. Havia alguns negócios ruins, alguns plágios, especialmente no tocante às turnês dos garotos.

Uma das razões porque era difícil para Joe é que ele era um homem honesto entre os tubarões.

"Os promotores, agentes e empresários vêm a mim e eles me oferecem dinheiro por debaixo da mesa para fazer isso e aquilo, mas eu não posso operar dessa forma", ele me disse uma vez. "Mas as outras pessoas o fazem."

Os meninos reconheceram os pontos fracos de Joe.

Marlon: ''Nós fomos para o nosso pai um dia e dissemos: "Você precisa de ajuda." Nós queríamos outros gerentes. O contrato dele não tinha acabado, por isso, lhe pedimos para co-gerenciar com a equipe de Ron Weisner e Fred De Mann, no início de 1978.''

Foi uma parceria desconfortável desde o primeiro dia. A relação tornou-se hostil quando Joe percebeu que ele estava sendo deixado de lado nas tomadas de decisões de Weisner e DeMann.

"Você está tentando roubar meus meninos de mim, eu sei!" Joe os acusou um dia.

Weisner e DeMann o negaram. Mas o fato era que o envolvimento diário de Joe com as carreiras dos meninos havia cessado.

Foi com júbilo, então, que Joe recebeu a notícia de que os Jacksons haviam decidido não renovar o seu contrato com Weisner e DeMann em 1983.

Marlon: ''De repente, Weisner e DeMann começaram a colocar muito do seu foco em Michael, o que não teria incomodado os irmãos, exceto pelo fato de que sentimos que eles estavam negligenciando os Jacksons no processo. Michael também ficou chateado com eles por outros motivos. A próxima coisa que eu soube, ele os afastou, também.''

Joe e Weisner e DeMann soltaram farpas na imprensa. Joe falou sobre "sanguessugas tentando romper os Jacksons'' e declarou que a única razão dele ter contratado Weisner e DeMann, em primeiro lugar, foi porque "houve um tempo em que eu senti que eu precisava de ajuda branca para lidar com a estrutura societária na CBS."

Fred DeMann, entretanto, sugeriu que o problema com Joe poderia ser relacionado com a raça.

Joe estava mordido. "Se eu fosse [racista], eu não estaria aqui falando com você agora", ele disse à revista Time. "Se eu fosse racista, eu não teria contratado um monte de pessoas que não são negras para trabalhar para mim. Se eu fosse racista, eu estaria lá fora .... tentando colocar os negros contra os brancos. Eu não sou tão... Eu sou apenas o oposto."

Enquanto Joe falava a verdade, ele não poderia desfazer a má publicidade que a sua guerra verbal com Weisner e DeMann tinha causado. Sinto-me segura em dizer que a má imprensa desempenhou um papel na decisão dos meninos em não renovar o contrato de gestão de Joe.

A coisa surpreendente sobre Joe, no entanto, é que o homem não vai desistir. Se ele cair de cara 50 vezes, ele vai se levantar a cada vez, a poeira abaixa e começa tudo de novo.

Depois desse revés com os meninos, Joe olhou ao redor, no final de 1983. Ele viu que Michael ainda não tinha tomado um novo gerente para seu trabalho solo, ele viu que os meninos, como grupo, não haviam contratado um novo gerente, ele viu que Thriller de Michael iria continuar a acumular vendas...

E ele viu uma oportunidade.

Joe não estava pensando pequeno, também. Ele imaginou os Jacksons estrelando a turnê de maior bilheteria de todos os tempos, uma turnê que iria tocar em um local não menor que um estádio de esportes. E ele iria ajudar a promovê-la.

Marlon: ''Sair novamente em turnê já estava correndo em nossas mentes. Mas não tinha decidido sobre um promotor. Tudo estava ainda em fase de início, quando meu pai se aproximou de nós.''

Os meninos tinham escrúpulos em trabalhar com Joe novamente. Joe se moveu rápido para ganhar a sua confiança.

Em uma reunião com um potencial co-promotor e com os contadores do grupo na casa de Jackie, Joe estava no topo como um gestor. Quando o promotor entregou ao contador um cheque de 250 mil dólares, Joe retrucou: "Dê o cheque de volta para ele."

Quando o contador resistiu, Joe pegou o cheque e o rasgou.

"Nós não vamos ser desvalorizados", declarou ele. "Esta turnê vai fazer milhões, e vamos ganhar dinheiro neste momento."

Logo depois, Joe mostrou seu dom para o dramático, aproximando o promotor de boxe Don King para se juntar a ele na promoção da turnê. Don King aproveitou a oportunidade.

"Com o grande sucesso do álbum de Michael, esta turnê poderia arrecadar dezenas de milhões", ele disse entusiasmado. Isso foi exatamente o que Joe queria ouvir.

A escolha de Joe por um segundo co-promotor foi igualmente surpreendente. Eu.

Quando nos mudamos para a Califórnia, Joe e eu fizemos um acordo. Na verdade, Joe fez isso por nós. "Você cuida da casa", disse ele "e eu vou cuidar de gerenciar as crianças. Eu não acho que você precisa dessa dor de cabeça." Ele estava certo, eu não o fiz.

Ao longo da posse de Joe como gerente dos meninos, fiquei em segundo plano. Mas agora Joe precisava de mim. Ele achava que se eu estivesse lá ao seu lado na mesa de negociação, para ajudar a garantir que os meninos teriam um acordo financeiro justo, eles se sentiriam mais seguros em deixar Joe executar a turnê.

Eu disse que sim. A turnê prometia ser uma experiência única na vida. Todos os meninos, exceto um, foram persuadidos a trabalhar com Joe. Quem estava fora era Michael, que não estava entusiasmado em ir para a estrada no momento.

Em 1981, de fato, ele havia anunciado sua aposentadoria das turnês. "Eu amo estar no palco", disse ele na época, "mas eu não gosto das outras coisas que vêm com as turnês. Eu acho que é importante para crescer, e eu tenho feito isso por tanto tempo que, às vezes, eu sinto como se eu estivesse com 70, agora."

Tão grave quanto Michael soou, que não era o "viciado em palco" que eu conhecia. Acreditando que, sob sua fachada de reticência se escondia um Michael ansioso por se apresentar novamente, eu decidi tentar alguma persuasão gentil.

"Basta pensar em fazer a turnê", disse a ele. Alguns dias mais tarde, eu trouxe o assunto novamente. Sentindo sua receptividade, eu disse: "Michael, eu gostaria que você a fizesse. Os irmãos precisam de você."

"Ok, Mãe", ele respondeu. "Se você me quer, eu vou."

Um dos primeiros anúncios sobre a turnê foi que a Pepsi havia assinado como sua patrocinadora.

No retorno pelos valores que a empresa pagou pelos direitos de patrocínio, os Jacksons concordaram em filmar uma série de comerciais de TV para a Pepsi.

Em janeiro de 1984, os meninos começaram a filmar os comerciais no Shrine Auditorium, sob a direção de Bob Giraldi. Giraldi tinha trabalhado com Michael em seu vídeo Beat It.

Na noite de 27 de janeiro, as câmeras estavam rolando na performance de Billie Jean, sua letra adaptada como um jingle, quando Michael, de repente, caiu no chão com o cabelo em chamas.

Eu soube de um acidente no set de um amigo que tinha ouvido em um boletim de rádio.

"Bem, eu não ouvi nada", eu disse, nervosa.

Liguei para o set imediatamente.

"Michael está em uma ambulância. Eles estão levando ele para o hospital ", disse a pessoa que atendeu o telefone.

Eu não podia acreditar no que estava ouvindo. Pedi para falar com Bill Bray, que coordena a segurança de Michael.

"Não se assuste que não é tão ruim", disse Bill. "Michael vai ficar bem."

Bill explicou o que tinha acontecido. Michael estava descendo uma escada durante a explosão de algumas bombas de flash de magnésio, quando ele foi alcançado pelas faíscas. Sem que ele soubesse, as faíscas inflamaram seu cabelo. Michael continuou dançando os passos até que, de repente, sentiu uma dor de queimação na parte de trás de sua cabeça. Ele caiu no chão e foi atendido imediatamente.

Eu pulei no carro com LaToya e Janet e aceleramos até o Cedars-Sinai Medical Center, em West Hollywood. Nós chegamos segundos antes da ambulância de Michael.

"Eu estou bem", Michael nos disse enquanto era levado por nós para o hospital.

Duas horas mais tarde, a pedido de seu cirurgião Dr. Stephen Hoefflin, Michael foi transferido ao Brotman Memorial Hospital, que tem uma ala de queimados.

Descobriu-se que Michael tinha sofrido queimaduras de segundo e terceiro grau em uma área equivalente  a palma da mão em seu couro cabeludo. Seu médico achava que Michael estava muito feliz que seus ferimentos não foram mais extensos. Eles certamente teriam sido, se as faíscas também inflamassem na sua roupa, o médico disse.

Dr. Hoefflin começou a tratar Michael com antibióticos e analgésicos. Michael estava com dor física e emocional. Ele sentia que o acidente não teria acontecido se precauções de segurança fossem tomadas. As duas bombas de flash mais próximas, ele soube, explodiram a apenas dois metros de distância de cada lado dele.

E, no entanto, mesmo em seu estado de agitação, Michael confessou o fato de que ele tinha tido uma emoção secreta numa ambulância pela primeira vez, com as suas sirenes ligadas. Era algo que ele queria fazer, ele disse, desde que era um menino.

O acidente de Michael estava em todos os noticiários de fim de noite. Naquela noite e todo o dia seguinte, centenas de fãs apareceram no saguão do hospital com flores, bichos de pelúcia e outros presentes. O quadro do hospital foi inundado com telefonemas perguntando por ele.

A pedido de Michael, Bill Bray trouxe um videocassete e Michael passou a maior parte da manhã seguinte e tarde assistindo seus vídeos favoritos. Nem por um momento ele falou de sair fora da turnê por causa de sua lesão. Na verdade, naquela noite, Michael anunciou que estava pronto para ir para casa.

Seu médico insistiu com ele para ficar no hospital mais alguns dias, para descansar. Mas Michael odiava a idéia de pessoas teriam que fazer a segurança para proteger seu quarto, então ele insistiu para que fosse autorizado a sair.

Três meses mais tarde, depois que a sua queimadura se curou, Michael voltou ao hospital para que o Dr. Hoefflin pudesse remover o tecido cicatricial do couro cabeludo com um laser de dióxido de carbono e esticar uma parte de seu couro cabeludo sobre a área queimada.

Tudo somado, foi uma experiência traumática para Michael. Mas algo de bom finalmente veio disso: o Michael Jackson Burn Center.

Michael teve a ideia de emprestar seu nome à unidade de queimados do Brotman depois de visitar alguns de seus pacientes companheiros com queimaduras. Ele foi às lágrimas vendo como alguns deles ficaram terrivelmente feridos, e ele queria fazer algo para ajudar.

Quando ele contou seus desejos à Pepsi, a empresa - que, tenho certeza, foi se preparando para um processo de Michael, algo que Michael nunca fez - foi muito feliz em doar um milhão e meio de dólares para o centro. Nascia o Michael Jackson Burn Center.

Quando ficou claro que Michael estaria totalmente curado e apto para realizar naquele verão, os preparativos para a turnê começaram a ficar sérios. Parecia que nada, no entanto, ocorria sem problemas.

Até então Michael tinha contratado um novo gerente, Frank Dileo. Dileo começou a tomar um grande interesse em detalhes da turnê, assim como dois dos advogados de Michael, o advogado de Jermaine, dois dos outros advogados dos meninos, o contador do grupo, o gerente pessoal do grupo e o gerente de negócios do grupo.

Percebi que havia 'muitos chefs na cozinha' quando os meninos se queixaram para mim e Joe sobre o envolvimento de Don King na turnê. Um ou mais dos indivíduos mencionados sussurrou nos ouvidos de meus filhos sobre King, que trazê-lo seria um homicídio voluntário e falando mal dele por sua falta de experiência na promoção de turnês de rock.

Para acalmar os meninos, Joe e eu concordamos em procurar um quarto co-promotor. Nos entretemos com as propostas de um punhado de pessoas.

Nós estávamos no meio de negociações sérias com um deles, quando os vários advogados dos garotos começaram a fazer campanha para a seleção de um dos vários promotores diferentes. De repente, os preparativos para a turnê caíram em um tumulto.

Eu nunca vou esquecer um encontro entre esses advogados, Joe, Don King e eu. Sentamos em um dos escritórios do advogado do meio-dia até as cinco da manhã seguinte, lutando sobre a turnê e sobre como ela deveria ser feita. Eu gosto da paz e eu não gosto de argumentos, de forma que essa reunião me matou. Eu ficava pensando, eu nunca poderia estar em um negócio como este. É ''cachorro comendo cachorro''.

Era óbvio para mim que os advogados estavam se acotovelando em papéis de tomadas de decisão sobre a turnê: eles engordavam seus honorários.

''Ouça", eu disse aos meninos um dia, ''se os advogados não se mantiverem em confusão, não poderão ganhar dinheiro. Não estão aqui para fazer as coisas correrem bem."

"Aqui vocês são irmãos", Joe acrescentou. "Falem sobre as questões entre vocês. Os advogados não deveriam estar aqui. Eles devem voltar ao seus escritórios, esperando que vocês lhe digam o que vocês decidiram."

Mas os advogados permaneceram. Joe, Don King e eu vimos a escrita na parede. Don, no entanto, prometeu sair balançando.

"Se vocês querem levar essa turnê longe de nós", ele disse aos advogados, "vocês vão ter que nos pagar.''

Ele conseguiu de três de nós uma porcentagem dos lucros da turnê. Por sua vez, concordou em permanecer com a turnê em grande parte, em papéis figurativos.

Mesmo que a turnê estivesse programada para começar em 22 de junho, não foi até a primeira semana de junho que os representantes dos meninos finalmente contrataram um novo promotor.

Ironicamente, depois de pesar ofertas de vários promotores de rock veterano, eles escolheram alguém que não tinha mais experiência em turnês que Don King: Chuck Sullivan, proprietário do New England Patriots da Liga Nacional de Futebol.

No entanto, Sullivan tem ligações estreitas com o pessoal dos estádios em todo o país, o que foi um acréscimo. Além disso, Sullivan fez uma oferta que os advogados não poderiam recusar: uma garantia de quase 40 milhões de dólares para os Jacksons pelo direito de sediar a turnê.

Assim como a oferta parecia grande, ela trazia uma armadilha. A fim de fazer valer essa garantia e garantir um bom lucro para si mesmo, Sullivan teve que cobrar um preço alto pelos ingressos. Os meninos não sabiam como eles eram caros até o momento em que os papéis foram assinados: 30 dólares por pessoa.

Além disso, Sullivan decidiu que os fãs teriam que comprar quatro ingressos - nem mais, nem menos - e teriam que enviar por ordem de correio o valor de 120 dólares sem a garantia de uma data específica, um lugar específico ou até mesmo um ingresso.

Os meninos tinham inicialmente discutido o preço dos ingressos entre 12,50 a 20 dólares, sem restrições sobre o número de ingressos solicitados, porque eles não estavam satisfeitos com a política dos ingressos de Sullivan.

Desnecessário dizer que os fãs também não estavam. Mesmo que as ordens de dinheiro chegassem a dezenas de milhares, muitos acusaram os rapazes de serem gananciosos. Uma garota de 11 anos do Texas culpou Michael pessoalmente.

Em uma carta aberta à Michael publicada em um jornal de Dallas, ela escreveu: "Como você pôde, de todas as pessoas, ser tão egoísta?"
Michael ficou esmagado quando leu a carta. Na verdade, a sua participação na turnê tinha sido tudo sobre a doação - dando a seus irmãos, que queriam fazer a turnê mais do que ele e dando de si aos seus fãs e aos fãs dos Jacksons.

Michael respondeu a sua jovem fã em 05 de julho, um dia antes que a turnê dos Jacksons finalmente começasse em Kansas City, com duas semanas de atraso.

Primeiro, ele disse em uma declaração preparada que iria pedir ao promotor para descobrir uma outra maneira mais justa para vender os ingressos (a regra da venda casada foi posteriormente abandonada). Segundo, ele anunciou que iria doar a sua parte total de lucros na turnê para as instituições de caridade.

Dadas todas as dores de cabeça e aborrecimentos para o momento, parecia mais do que um pouco irônico que a turnê dos meninos e o álbum de estúdio que a acompanhava, levasse o título de Victory.

Mas quando eu estava embalada no Arrowhead Stadium na noite de 06 de julho, minha frustração sobre os acontecimentos dos últimos meses se dissipou. A noite estava quente, o ar carregado.

Posso fechar os olhos e reviver a experiência: Tudo o que ouço é "Jacksons! Jacksons! Jacksons!" É a Jacksonmania. Há crianças vestindo uma luva cintilante, como Michael. Não são seus pais. E há pessoas mais velhas, algumas delas em cadeiras de rodas.

Eu falo com uma menina na platéia. "Você sabe, minha irmã ficou doente por cinco anos", diz ela. "Nós estávamos preparados para a sua morte. Então, durante uma das turnês dos Jacksons, Michael veio visitá-la no hospital. E ela ainda está aqui. Nós pensamos que a visita de Michael teve muito a ver com isso.''

Finalmente é hora do show. Depois de mais um desses segmentos de abertura, Randy como um cavaleiro - desta vez puxando uma espada de uma pedra como luzes de laser saltando descontroladamente fora da lâmina - os meninos fazem a sua entrada. Sobem lentamente sobre uma plataforma, partindo debaixo do palco. As luzes do palco atrás e na frente deles estão cegando os meus olhos.

Quando chegam à fase, eles passam a subir as escadas em meio à fumaça para outra plataforma. Eu ouço a batida! clunk! clunk! de cada passo que sai das colunas definidas dentro das torres em cada canto do palco.

Agora andam em direção ao público, cada um deles usando óculos escuros. Eles ficam lá por um minuto, todos em uma linha. Em seguida, eles levantam suas mãos direitas em uníssono e tiram seus óculos. Engraçado!

Michael dá o sinal com um gesto de sua mão enluvada. Agora eles dançam, e a banda lança Wanna Be Startin' Somethin'.  O show é grande!

Quando eu olho para baixo da minha cadeira na torre de luz, eu me concentro em cada um dos meus meninos, por sua vez.

Porque Jackie recentemente machucou o joelho jogando basquete e não pôde executar, Randy está tentando por trás dos teclados e movendo-se ao redor. Ele é o tipo masculino. Ele tem alguns músculos pequenos que ele está trabalhando, e ele está se exibindo em torno do palco.

Tito é um pouco descontraído. É hilário vê-lo passar, porque ele não é um dançarino. Mas seus irmãos estão sempre a dizer-lhe: "Você tem que se mexer!" Então, lá está ele com sua guitarra tentando dançar e brincar.

Marlon está dançando sem parar, aproveitando cada segundo. Jermaine está agindo legal. Ele está dançando um pouco.

Michael? Ele está cantando, dançando, fazendo tudo como de costume. Onde é que ele conseguiu toda essa energia? Penso em algo que ele muitas vezes disse a seus irmãos: "Se nós estamos indo fazer um show, temos que fazer um show muito bom. Não podemos fazê-lo pela metade."

Seu show apresenta dezesseis seleções. Eles variam de um medley das músicas dos Jackson Five às músicas de Michael nos álbuns Off The Wall Thriller, mais três solos de Jermaine.

Enquanto eu guardo cada nota, cada gesto, cada movimento, eu não posso ajudar, mas viajar de volta no tempo - para os dias em que cada um dos meus meninos era um bebê em meus braços; quando batalhávamos em Gary.

Agora, olhando de novo para o mar de pessoas - 45 mil  ao todo, e muitos deles em pé, aplaudindo e gritando - eu digo a mim mesma, então este é o resultado de todos os anos que nos dedicamos a um sonho.

A experiência maravilhosa no Arrowhead Stadium estava fadada a se repetir uma e outra vez durante a turnê de cinco meses de duração.

Tito: ''A Victory Tour foi a turnê que eu odiei chegar ao final. Havia um número limitado de datas, por isso cada show foi especial, cada um foi único.''

Eu odiei por ela acabar, também. Eu amei a turnê. Eu gosto de ver novos lugares, e eu gosto de passar o tempo com meus filhos. Não ficar em casa me perguntando: ''Como estarão os meninos? O que eles estarão fazendo?''

Victory Tour foi diferente das outras turnês dos Jacksons porque as datas estavam distribuídas amplamente o suficiente para permitir que os meninos voassem para casa entre os shows.

Talvez esta foi a forma como os rumores começaram, sobre que os meninos "nunca" passavam um tempo juntos na turnê e, portanto, devem ter sido "rixas". Na verdade, os meninos saíam juntos nos bastidores antes e depois de cada show. De qualquer forma, eu pensei que eles estavam se divertindo juntos.

Se eles vissem alguém que conhecessem, como Bill Bray, o chefe da nossa equipe de segurança, indo para o seu camarim, eles podiam formar um "pelotão de fuzilamento" e, quando ele entrasse, o atingiam com uvas. "Esse tipo de comportamento me deixa mal no papel de sua mãe!" Eu tive que dizer a eles.

Os meninos queriam que a sua equipe de turnê, amigos e famíliares tivessem bons momentos na turnê, também.

Eles pessoalmente fizeram com que a área sob seu enorme palco fosse transformado em uma pista portátil chamada Mr. Lucky, em honra ao clube de Gary onde eles tinham feito seu primeiro show profissional. Durante suas performances, eles se esgueiravam através do assoalho para dançar lá embaixo.

Nós tivemos nossos momentos sérios em turnê, também. Após cada apresentação, eu ia para os bastidores para compartilhar minhas observações sobre a forma como o show tinha ido. Assim que eu sentava, um ou mais dos meninos dizia: 'Shh! A mãe tem algo a dizer."

Infelizmente, os meninos continuaram a ser atormentados pelas empresas de turnês.


Marlon: ''A dor e a agonia antes e depois do show nos acompanhava. A turnê é uma boa experiência quando se trata de negócios, mas a Victory foi uma turnê mais dolorosa do que a maioria, porque onde há mais dinheiro envolvido, há mais pessoas e mais ganância.''

Uma vez que a turnê começou, o palco do drama principal era a corrida do promotor Chuck Sullivan para fazer lucros pessoais. Locais do estádio eram retirados e adicionados, dependendo de seu fracasso ou sucesso na conquista de especiais concessões financeiras dos proprietários do estádio. A mudança de itinerário reforçou a ideia na cabeça de algumas pessoas que a turnê tinha sido um elefante branco*. (Nota do blog: expressão que quer dizer ''cara e desnecessária'')

Em dezembro, a Victory Tour culminou em casa com seis datas vendidas no Dodger Stadium. Quando a poeira baixou a partir da última desmontagem do palco, os meninos, Joe e eu pudemos começar a ver a turnê com algum senso de perspectiva.

Vimos uma turnê que, sim, havia causado a todos nós a dor em um ponto ou outro. Mas havia um sentimento geral de profunda satisfação com os shows dos meninos. O público permite que você saiba se você está fazendo um bom trabalho. Os gritos e aplausos, as ovações e as danças nos corredores que saudaram cada show me diziam que os meninos tinham feito algo certo no palco.

Naturalmente, os números de excursão foram gratificantes. Os meninos tinham tocado para mais de dois milhões de fãs. O total bruto ultrapassou 50 milhões de dólares, quebrando o recorde anterior de 30 milhões de dólares estabelecido pelos Rolling Stones em 1981.

O álbum Victory dos meninos também tinha feito grande, vendendo mais de dois milhões de cópias e alcançando um Top 10 com State of Shock, um dueto de Michael com Mick Jagger.

No final, eu não acho que qualquer um de nós sentiu que a Victory Tour tinha sido nada menos do que uma vitória do talento e da perseverança. E agora chegou a hora dos meninos fazerem uma pausa.

Para Michael, isso significava voltar para a nossa casa em Encino, seu santuário, e até lá ele era, provavelmente, a celebridade mais conhecida da casa, ao oeste de Graceland.''


Tradução: Rosane - blog Cartas Para Michael

VOLTAR PARA:


Nenhum comentário:

Postar um comentário