terça-feira, 29 de janeiro de 2013

LIVRO MY FAMILY, THE JACKSON'S - CAPÍTULO 12 (BY KATHERINE JACKSON)


''Eu vi Michael principalmente na passagem em 1982 - foi o seu ano mais movimentado ainda como artista solo. Ele escreveu e produziu o sucesso de Diana Ross, Muscles, como um gesto de agradecimento por sua amizade ao longo dos anos.

Ele colaborou com seu amigo Paul McCartney em várias músicas. E ele narrou ET: O Extraterrestre, o LP do filme de Steven Spielberg.

Esses projetos teriam somado um bom ano de trabalho para algumas pessoas. Mas Michael, na verdade, estava prensado entre os projetos de trabalho em Thriller, seu segundo álbum solo para a Epic Records.

Este foi o álbum que Michael já havia prometido para mim, que estaria nos ouvidos do mundo musical. Agora ele estava me dizendo que ia tornar-se o álbum mais vendido de todos os tempos.

Não seria Michael definir uma meta sem também estabelecer um plano de batalha. No caso de Thriller, ele sabia exatamente como ele estava indo para torná-lo um grande sucesso: através do uso dos melhores vídeos de música de sempre.

Na época, os vídeos musicais estavam apenas começando a se tornar uma ferramenta de promoção das gravações. Mas Michael já tinha sido um fã dos vídeo por um par de anos. Em 1980, ele e os irmãos tinham feito um ambicioso filme de oito minutos utilizando a canção Can You Feel It. Os meninos exibiram o vídeo no início dos seus shows da Triumph Tour.

É claro que, antes de gravar um grande vídeo, você tem que ter uma grande canção. Quando Michael estava em casa em 1982, ele poderia ser encontrado por trás de portas fechadas em seu quarto. com a caneta na mão. Ele me deixava saber, de vez em quando, que ele ainda estava vivo, gritando um ''Whoo!" E batendo palmas - sua maneira de celebrar uma boa ideia.

Depois de terminar uma música que ele queria usar para o álbum, Michael gravava uma demo dele mesmo. no estúdio ao lado de nossa garagem. Então ele tocava a demo para mim e quem mais estivesse por perto, para obter o nosso retorno.

Uma das primeiras músicas que ele tocou para mim foi Billie Jean. Minha primeira reação foi de incredulidade - Eu não podia acreditar que Michael tinha escrito uma música de sonoridade tão difícil.

Michael não faz o tipo ''machão'', então eu percebi que ele estava fazendo um esforço consciente com Billie Jean para mudar sua imagem. Eu acho que ele sentiu que sua imagem tinha se tornado muito ''boazinha''.

Uma vez que eu me recuperei do meu choque, eu ouvi Billie Jean pelo o que ela era, uma canção número um.

Imediatamente impressionaram mais do que um acorde musical comigo. Michael e seus irmãos tinham sido atormentados por Billie Jean - ou garotas agressivas - desde os primeiros dias do Jackson Five. Realmente me preocupavam, ao ponto onde, um dia, sentei com os meninos e lhes disse:

"Cuidado. Toda vez que uma menina vem correndo atrás de vocês, ela provavelmente não é o caminho certo.''

Enquanto a real Billie Jean - incluindo as meninas que realmente afirmavam que um dos rapazes era o pai de seu filho - tinha causado a dor nos Jacksons, o assunto certamente seria interessante para letras de músicas.

demo que Michael gravou, também. Quando Michael tocou a fita mais tarde para Quincy, ele gostou de tudo, menos da parte de baixo. Ele tentou fazer com que Michael a mudasse, mas quando Michael sente fortemente sobre algo ele não pode mudar, e ele sentiu fortemente sobre a linha de baixo. Fico feliz que ele se manteve firme. Como ele, eu pensei que a parte de baixo foi uma das melhores coisas sobre a pista.

No entanto, fiquei intrigada quando Michael tocou para mim a sua demo de Beat It. Mesmo que eu soubesse que Michael era um grande fã do filme West Side Story, pensei, por que ele quer escrever uma música sobre duas gangues?

Demorou mais algumas audições antes de eu perceber que a letra, na verdade, continha uma mensagem positiva. A verdadeira bravura, Michael estava afirmando, está em se aceitar as diferenças sem recorrer à violência.

Michael filmou os vídeos de cada música. Eu vi primeiro o vídeo Billie Jean e achei que era misterioso e impressionante de se ver. Mas, tão bom quanto ele foi, ele acabou levando um atropelo pelo vídeo Beat It.

Foi ideia de Michael contratar membros de gangues reais de Los Angeles para aparecerem como figurantes. O vídeo começou com tiros desses jovens valentões que se preparam para uma briga, sem observar o que estavam fazendo.

A tensão aumenta à medida que duas gangues vão se aproximando. Assim como os canivetes fazem seu primeiro corte no ar, no entanto, Michael entra em cena, cantando: "Não importa quem está errado ou certo."

Instantaneamente, as gangues são chicoteadas em linha - uma linha de dança. E Michael abre o caminho com sua grande variedade de movimentos de dança.

Michael estreou o vídeo Beat It para a família em nosso home theater. Quando ele terminou, nos levantamos, aplaudimos e o abraçamos. Todos tínhamos achado tão fantástico.

Como qualquer fã de Michael pode atestar, tanto Billie Jean como Beat It estavam fadadas a se tornar sucessos gigantes para ele. Elas e The Girl Is Mine, dueto de Michael com Paul McCartney, mantiveram Thriller no topo das paradas nos primeiros meses de 1983.

Mas em maio, as vendas de Thriller tinha começado a diminuir. Se Thriller teria a ter a chance de se tornar o álbum mais vendido de todos os tempos, Michael tinha que fazer algo para reverter a sua queda. Ele o fez durante o especial de TV Motown 25: Yesterday, Today, Forever, transmitido em 16 de maio.

Ironicamente, tivemos que falar a Michael sobre aparecer no especial com seus irmãos. Eu era uma das pessoas que iria falar.

"Motown deu a você e aos seus irmãos o seu início", eu lembrei ele. "E você estaria tocando no mesmo palco de todos os artistas que você adorava quando era um menino."

Michael concordou em pensar sobre isso. Quando Berry Gordy lhe pagou uma visita pessoal no estúdio, um dia, para tratar de algum assunto seu, Michael finalmente disse que 'tudo bem'. Ele impôs uma condição ao Sr. Gordy: que ele pudesse executar Billie Jean depois que ele participasse de um medley de sucessos do Jackson Five com seus irmãos.

 Billie Jean seria a única música que não era da Motown em todo o programa, mas como poderia o Sr. Gordy recusar?

Fiquei animada com a participação dos meninos no especial de TV, não só porque marcaria sua primeira aparição juntos desde a Triumph Tour, mas também porque estariam executando novamente com Jermaine.

Insatisfeito com as vendas de seus discos, Jermaine havia deixado recentemente a Motown. Ele deixou um legado na Motown com sete álbuns lançados entre 1976 e 1982, incluindo o seu "disco de platina duplo" o LP de 1980, Let's Get Serious, com o single de mesmo título.

Hazel havia apoiado a decisão de Jermaine para pedir a sua libertação da Motown. Sr. Gordy acrescentou uma nota graciosa quando disse que a divisão profissional com seu genro não era só amigável, mas 'envolta em amor'.

Desnecessário dizer que a família ficou muito contente em receber Jermaine de volta ao grupo.

Os meninos ensaiaram seu segmento na casa. Um problema com o qual tiveram que lidar era com Randy. Tenho certeza de que o coração de Randy afundou quando ouviu Michael declarar: "Você sabe, Randy não pode estar no show, porque ele se juntou ao grupo depois que deixamos a Motown." Mas os meninos decidiram manter Randy durante o seu medley.

Eu estava ansiosa para ter uma ideia do que eles estavam planejando fazer no palco, mas observando os meninos ensaiando, eu quase não tinha a menor ideia. Isto é o que sempre me intrigava sobre os seus ensaios. Eles apenas ficavam em torno de como eles cantavam.

"Você tem que se entregar!" Eu costumava exclamar. "Nós vamos ter um show ruim hoje à noite!"

"Ficamos tímidos ensaiando na sua frente e dos outros parentes", eles sempre respondiam.

"Oh? Como é que vocês não ficam tímidos ao se apresentar na frente de milhares de pessoas em um estádio, então?"

Eles tinham uma resposta para essa, também: "Porque, mãe, essas pessoas não nos conhecem."

Quanto ao desempenho de Michael em Billie Jean, eu não tinha ideia alguma sobre o que ele planejava fazer. Não apenas ele não executava a música, mas ele se recusava a falar sobre isso.

Motown 25 acabou por ser um show maravilhoso. Foi o número um na Nielsen, e estava destinado a ganhar um prêmio Emmy.

Entre muitos destaques do show: Smokey Robinson se apresentou novamente com The Miracles, Diana Ross dividiu o palco novamente com as Supremes, os Four Tops e Temptations participaram em duetos e, claro, os Jacksons reunidos criaram um clima especial de emoção.

Após o medley dos garotos, Michael ficou sozinho no centro dos holofotes.

"Aqueles eram os bons velhos tempos", ele disse sobre o medley que ele tinha acabado de cantar com seus irmãos. "Mas o que eu realmente gosto são as canções mais recentes."

Naquele momento, começou a batida pesada de Billie Jean. Reconhecendo a introdução, muitos na platéia ficaram instantaneamente em pé. Sendo todos bem altos, eu tive que ficar em pé também, ou não veria nada.

Joe ao meu lado, anunciou: "Michael simplesmente roubou o show!"

"Cale-se! Ele não fez nada ainda! "Eu exclamei.

Michael fez algo em seguida: o Moonwalk. ''Então esta é a sua surpresa'', eu disse a mim mesma.

Contrariamente à opinião popular no momento, o Moonwalk - onde o dançarino parece estar andando para frente e para trás ao mesmo tempo - não era novo. Os negros realizavam o movimento em vídeos que datam dos anos 30. Michael gosta de assistir a filmes antigos, e ele estudou os vídeos.

Michael também adorava os filmes do francês mímico Marcel Marceau. Marcel poderia deslizar da mesma maneira. Era uma influência sobre Michael, também.

Assim os membros de gangues também estavam realizando o movimento nas ruas. É daí que o termo Moonwalk se originou.

Mas foi Michael que fez o famoso Moonwalk durante sua performance eletrizante de Billie Jean, uma performance que daria a Michael uma indicação ao Emmy.

Os irmãos, que assistiram a apresentação de Michael nos monitores de TV nos bastidores, não podiam acreditar no que estavam vendo. Michael não tinha falado a eles sobre o Moonwalk, também. Ele queria que sua família, bem como a audiência da TV, fossem surpreendidos.

Alguns dias mais tarde, soubemos o quão grande tinha sido o público de TV: 47 milhões de pessoas. E dezenas de milhares delas saíram para comprar o álbum de Michael, no dia seguinte, trazendo Thriller de volta para o número um nas paradas.

No outono de 1983, Thriller tinha rendido mais dois sucessos: Wanna Be Startin 'Something e Human Nature. Conforme o sexto single do álbum, PYT , começou a escalar as paradas em outubro, Michael tomou uma decisão fatal de filmar um terceiro vídeo.

Ele escolheu a música título, o divertido e assustador conto de uma noite assistindo filmes de terror, de Rod Temperton. Como eu estava visualmente orientada pela canção Thriller, eu estava cética quando eu ouvi pela primeira vez os planos de Michael para filmá-lo.

"Você não vai ser capaz de superar o vídeo Beat It'', eu disse.

"Oh, Thriller vai ser melhor", respondeu Michael.

"Como é que pode, eventualmente, ser melhor?"

"Espere", disse ele, confiante.

Conforme saiu, eu não tive que esperar para ver o produto final para saber que Michael estava certo. Uma visita ao set me tornou crédula. Para onde quer que eu me virasse, me encostava em um ''monstro'' incrivelmente maquiado. ''As crianças vão adorar este vídeo'', pensei.

Com 14 minutos de duração, Thriller foi qualificado como uma curta-metragem. Ele apresentava um protagonista, Michael, que graficamente provava que ele "não é como os outros caras", a namorada chocada e perplexa, uma cena do cemitério indizivelmente assustador, e Michael já filmado com a sua assustadora máscara.

O vídeo Thriller teve sua estréia mundial na MTV em dezembro de 1983. Logo depois, Thriller, o álbum, estava de volta ao número um. Se isso não fosse emoção suficiente para o mês, Michael terminou 1983 com o single número um no país: o seu dueto Say, Say, Say com Paul McCartney.

Desnecessário dizer que, quando aconteceu o vigésimo sexto Grammy Awards em fevereiro de 1984, Michael era o grande favorito para ficar com uma braçada de estatuetas. Desta vez, ele não ficou decepcionado.

Tivemos uma delação que ele teria uma grande noite no Shrine Auditorium, quando ele venceu três dos quatro prêmios secundários, aos quais foi nomeado na parte anterior do show não televisionada.

Como ele se sentou na primeira fila com sua namorada Brooke Sheilds, durante a ''parte nobre'' da cerimônia, Michael ouviu seu nome ser chamado pela primeira vez para o Álbum do Ano.

Depois que ele subiu e desceu muitas vezes aceitando prêmios - ele ganhou um recorde de oito no total - Joe e eu não tivemos a chance de dizer nada a ele, exceto "Parabéns", mesmo nós estando sentados diretamente atrás dele.

Eu estava muito, muito orgulhosa e feliz por ele. Eu ficava pensando... 'Bem, isso se fez por Off The Wall.'' Eu nem sequer me importava o fato de que ele tinha usados os óculos escuros durante todo o show, do jeito como ele tinha feito no mês anterior para o American Music Award. Era a sua imagem para a noite, apenas algo que ele queria fazer. Você sabe como são os garotos.

Michael sabia que uma grande vitória no Grammy iria impulsionar as vendas de Thriller. Mas eu acho que até ele ficou chocado quando soube quantas cópias o álbum vendeu nos primeiros três meses de 1984: sete milhões e meio.

Durante a primeira parte de 1984, a música Thriller tornou-se o sétimo álbum no Top 10, um recorde quebrado.

Mas o objetivo com o qual Michael se preocupava era ter o álbum mais vendido desde sempre. E, na primavera de 1984, Thriller vendeu cópias suficientes para justificar uma investigação por parte do pessoal do Guinness.

Seus resultados foram publicados no The Guinness Book of World Records: 1984: Thriller, com mais de 35 milhões de cópias vendidas, havia ultrapassado o Saturday Night Fever (Os Embalos de Sábado à Noite) álbum da trilha sonora do filme, para se tornar o álbum número um  mais vendido de todos os tempos.

O sonho de Michael tinha se realizado graças a uma coleção de nove grandes canções, quatro vídeos maravilhosos, duas aparições em premiações e um desempenho inesquecível na TV.

A questão agora era: O que Michael poderia fazer para repetir o feito?'' 

Tradução: Rosane - blog Cartas Para Michael

VOLTAR PARA

Nenhum comentário:

Postar um comentário