sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

LIVRO MY FAMILY, THE JACKSON'S - CAPÍTULO 6 (BY KATHERINE JACKSON)


Eu tive uma experiência semelhante aos meus meninos na primeira vez que voltei à nossa antiga casa em Gary, a qual um dos primos de Joe estava alugando.

Muitos dos nossos antigos vizinhos vieram  nos visitar, mas Mildred White, o vizinho mais próximo, não o fez. Fiquei intrigada, então eu fui vê-lo.

"Veja, Louis, que ela não mudou", ela exclamou para o marido assim que ela me viu na porta.

"Mudou o quê?" Eu disse. "Mildred, o que você está falando?"

Assim como os velhos amigos dos meninos, Mildred tinha aparentemente assumido que desde que a sorte da família Jackson tinha mudado tanto, nós teríamos que ter mudado como pessoas.

Ser tratado de forma diferente por velhos amigos e vizinhos era apenas um dos ajustes que os meninos, Joe e eu tivemos que fazer depois que o Jackson Five se tornou famoso. Habituar-se ao cronograma dos meninos foi o maior ajuste, para eles e para mim.

Marlon: ''Quando estávamos tentando fazê-lo, a vida estava agitada. Uma vez que fizemos isso, a vida ficou ainda mais agitada. Nós chegávamos em casa da escola e tínhamos uma fração de segundo para fazer um lanche. Então íamos para o estúdio. Nós gravávamos uma música por dia na Motown. Se tivéssemos sorte, chegaríamos em casa cedo o suficiente para fazer um pouco da lição de casa antes de cair no sono. Era assim em todos os dias da semana. Então, no sábado nós ensaiávamos.''

Tito: ''Eu não tive um momento para refletir de volta. Você sabe quando eu tive um momento? Após a turnê Victory, em 1984. Não me lembro de um dia sem 'fazer algo' antes.''

Quando os meninos não estavam gravando ou ensaiando, parecia que eles estavam em turnê. Entre 1969 e 1972, eles excursionaram por todo os Estados Unidos, na Europa, África e Japão.

De modo que não ficaram para trás em seus estudos, pois tinham um tutora que viajava junto, Rose Fine. Antes de pularem em uma viagem, os meninos teriam suas atribuições dos professores; Sra. Fine também iria conferir com cada um de seus professores, de modo que ela sabia onde cada um estava em uma área particular.

Então, quando eles estavam na estrada, ela teria a todos os cinco se reportando a ela em seu quarto de hotel, no início da manhã, para duas ou três horas de estudo. Seu quarto se tornou uma versão dos últimos dias de uma sala de aula.

Para minha agradável surpresa, os meninos, que eram todos alunos acima da média em Indiana, fizeram notas ainda mais altas na Califórnia. Grande parte do crédito por isso teria que ir para a Sra. Fine, cuja devoção ao meninos não conhecia limites.

"Eu me sinto como se eu fosse sua mãe em outra vida", ela me disse uma vez e, de fato, ela agia como uma segunda mãe para eles na estrada. Ela os acompanhou em sua passeios turísticos e compras de viagens, e até tentou fazer com que eles fossem para a cama a uma hora razoável.

Os meninos a amavam. Eu também. Eu só queria, naquele momento, que eu pudesse passar mais tempo com meus filhos, como ela o fazia; apesar de eu ainda ter LaToya, Randy e Janet em casa comigo, nossa casa parecia vazia sem os meninos.

Algumas pessoas podem não gostar de ter familiares consigo para estadias prolongadas, mas quando nossos familiares começaram a afluir para a Califórnia nos anos iniciais, eu os receberia de braços abertos. Eu queria a sua companhia. Eu poderia não ter me sentido tão só se eu tivesse vizinhos com quem construir amizades.

Mas, na Califórnia, logo aprendi, as pessoas tendem a ser reservadas. Eu nem sequer via as crianças andando de bicicleta na rua ou brincando de 'pega' ao redor, algo que eu sentia falta. Elas ficavam em suas propriedades, assim como seus pais. Eu me lembro de pensar um dia... ''Meu Deus, você poderia muito bem ter construído uma casa no meio de um cemitério para mim!''

Foi tão difícil para mim me ajustar da animada Jackson Street para um bairro tranquilo de Los Angeles que eu não podia suportar ficar em casa. Eu tinha que sair todos os dias, mesmo que eu fosse apenas ao parque e ler. Quando os parentes estavam na cidade, eu ficaria feliz em mostrar-lhes as paisagens. Eu tive que conhecer todos os cantos da Disneylândia antes de Michael.

Mesmo quando os meninos estavam na cidade, eu só poderia ter um vislumbre deles a cada dia, porque eles ficavam longas horas no estúdio. Sua agenda agitada forçou eventualmente um fim à tradição da família Jackson que eu mais apreciava: jantar juntos.

Eu fiz o meu melhor, por um tempo, para manter a tradição viva em Los Angeles, cozinhar para grandes refeições. Mas eu cansei de jogar fora a comida quando as sessões dos meninos corriam ao longo do tempo, de modo que um dia, eu simplesmente parei de cozinhar o jantar completo.

Um segundo grande desafio que a família teve de enfrentar estava em ajustar a nossa nova condição como "figuras públicas." Para os meninos significava lidar com os fãs, não só em seus shows e nos aeroportos, mas também literalmente sempre que colocavam suas cabeças para fora de suas portas.

Tito: ''Mesmo de volta ao hotel após um show, não estávamos fora do alcance dos fãs. Embora sempre tivéssemos pessoas da segurança em cada extremidade do salão, as meninas conseguiam driblá-los ao ver um de nós deixando o nosso quarto para visitar um dos nossos irmãos.''

Os fãs se tornaram parte da minha vida também. De tempos em tempos, a nossa campainha era desligada. Eu abria a porta e via até sete jovens fãs, ao mesmo tempo, olhando para mim.

Eu sempre as recebia, lhes servia bebidas e respondia suas perguntas. Na minha cabeça, era a coisa educada a fazer. Foi também o modo como minha mãe me criou. (Minha mãe praticava o que pregava para mim. Quando uma fã de Nova York a rastreou em Rutherford, Alabama, onde ela tinha voltado a viver com o meu padrasto, ela permitiu que a fã vivesse com eles por três meses.)

Quando Motown alugou outra casa para nós na movimentada Bowmont em Beverly Hills, um endereço menos acessível, eu pensei que eu não iria ver tantas fãs. Eu estava errada. Elas caminhavam desde a Sunset Boulevard e acampavam em frente ao nosso portão. Mais uma vez, eu não as mandava embora.

Mesmo depois que nos mudamos para a casa em Encino consegui manter a política da 'porta aberta' por um tempo, mesmo que a minha paciência estivesse finalmente se esgotando.

O problema era que muitas das fãs queriam tirar proveito de minha hospitalidade, sentavam-se em nossa casa por horas, imaginando, estou certa, que se eles se sentassem lá o tempo suficiente, um dos meninos cruzariam a porta. Eu era educada demais para sugerir-lhes: "Vocês não acham que vocês deveriam ir?"

Finalmente, uma delas disse: "Bem, eu acho que é melhor ir embora."

Mas aí já seria meia-noite, e eu estaria preocupada por sua segurança. "Você não podem ir lá fora, por si mesmas" eu dizia, e eu ia acabar levando-as todas para casa.

''O que você está fazendo?'' Eu finalmente me perguntei uma manhã. Essas meninas nunca vão parar de ficar ao seu redor se você continuar lhes permitindo e as levando para casa.'' A partir de então, eu fiz o meu melhor para ignorá-las.

''Ainda assim'' eu disse a mim mesma na época ''eu prefiro receber doces jovens fãs em minha casa do que ser abordada na rua por estranhos rudes.''

Logo após a minha foto sair pela primeira vez, eu fui reconhecida em uma Pic ‘n’ Save*.(nome de uma grande cadeia de lojas - nota do blog)

"Porque você está fazendo compras em um lugar como este?" Uma mulher me perguntou.

"A mesma coisa que você" eu respondi, depois que eu superei meu choque momentâneo.

Eu me esquivava de ter minha foto tirada depois disso, porque eu me sentia mais confortável ficando em segundo plano. Mesmo no mercado, quando via um ou mais dos meninos na capa de uma revista, gostava apenas de tirar tranquilamente a revista e colocá-la no carrinho. Orgulhosa como eu estava deles, não era a minha maneira de cutucar a pessoa próxima a mim e dizer: "Estes são os meus meninos."

Eu não quero dar a impressão de que todas as mudanças que meus filhos e eu tivemos que fazer em Los Angeles foram difíceis ou traumáticas. Tivemos a tarefa feliz, por exemplo, de ajustar-nos ao fato de que tínhamos dinheiro suficiente pela primeira vez em nossas vidas.

Quando os royalties finalmente começaram a fluir, e tornou-se claro para nós que as nossas preocupações financeiras foram mais de vinte anos depois de beliscar tostões, senti um enorme suspiro de alívio. Só de saber que o dinheiro estava lá para nossos desejos e necessidades, tornou a nossa vida muito mais fácil.

Rebbie: ''Depois que eu tive meu primeiro filho, Stacee, em 1971, minha mãe saiu para Kentucky para visitar. Personalidade sábia, ela era a mesma. Mas o que eu observei sobre ela, e realmente gostei, era o fato de que seu porte tinha mudado. Agora ela podia se dar ao luxo de se vestir bem, de usar jóias bonitas. Ela tinha um olhar novo e mais sofisticado.''

Nós todos nos entregarmos às compras de roupas novas. Eu comprei um terno com calça azul em uma pequena boutique na Fairfax Avenue. Os meninos compraram calças de couro e casacos.

Também havia alfaiates vindo para a casa a fim de medir aqueles ternos em tecido jeans que eram tão populares na época. Joe e os meninos os usavam para os seus concertos, bem como nos programas de outros artistas. Os ternos eram bem cortados - olhando para o tempo - mas você olha para eles e hoje eles parecem horríveis.

O único de nós que imediatamente fez uma grande compra foi Jackie, que comprou seu primeiro carro: um Datsun 280Z 1970. Desde que ele tinha 19, ele teve a minha bênção e a de Joe. Claro, Tito e Jermaine queriam carros também, mas Joe e eu lhes dissemos que eles teriam que esperar até que se formassem no colegial.

Então, o que fizemos com o nosso dinheiro? A maior parte da renda foi para contas de poupança individuais dos meninos. Uma parte ia para o "pote", um fundo do qual os meninos poderiam aproveitar quando eles se casassem e quisessem colocar um pagamento em uma casa. O resto foi para Joe como seu gerente, e para si mesmos, na forma de uma mesada semanal.

Em relação aos fundos comuns, Joe e eu não queríamos que o dinheiro ficassem apenas em contas de poupança, por isso fizemos alguns investimentos em nome da família.

Um dos nossos investimentos foi em prédios de apartamentos. Nós compramos um complexo de 212 unidades em West Covina, e dois em Tarzana, um com 212 unidades, bem como, o outro com 196. Quando os vendemos no final dos anos setenta, recebemos um lucro considerável.

Outro investimento que decidimos fazer foi em uma casa para a família. Depois de viver durante dois anos nas duas casas que a Motown tinha alugado para nós, sentimos que era hora de termos o nosso próprio lugar.

No início, nós limitamos nossa busca em Hollywood e a ideia de estar perto da Motown e dos estúdios de gravação era atraente para nós. Mas eles se tornaram ligados à ideia de comprar uma casa no morro em Bel-Air, com vista para a  cidade.

Nosso agente imobiliário insistia em uma casa em Bel-Air em particular. Para provar sua alegação de que era boa para se comprar, ele nos levou para o Vale de San Fernando, um dia, para uma casa em Encino que estava à venda por aproximadamente o mesmo preço: 140 mil dólares.

O agente não achava que a casa de Encino se comparasse com a de Bel-Air porque a casa em Encino era em terreno plano e não tinha uma visão. Mas aconteceu de nós acharmos a casa de Encino melhor. Nós amamos o fato de que estava situada em cerca de dois hectares, com 18 árvores de limão, laranja, tangerina e um lugar para os meninos jogar basquete.

A casa em si era atraente. Era um estilo de rancho na Califórnia, com seis quartos e cinco banheiros. Nós gostamos especialmente da sala com paredes de vidro, que era banhada pela luz. Essa era a casa que acabamos por comprar. Nós nos mudamos em 05 de maio de 1971, o dia depois do meu 41.o aniversário.

As crianças ainda tiveram que compartilhar quartos: Jackie ficou com o tecladista Ronny Rancifer; Tito com o baterista Johnny Jackson; Jermaine com Marlon, Michael com Randy e LaToya com Janet.

No 17.o aniversário de Jermaine, chegava uma nova residente - Rosie, a jibóia. Ela foi um presente da namorada de Jermaine, Hazel Gordy, filha de Berry Gordy.

Este foi mais um ajuste que eu tive que fazer em Los Angeles: o novo gosto dos meninos por animais exóticos. Embora tivéssemos um casal de cães, eles não estavam mais satisfeitos com os cães. Eles queriam cobras.

Rosie se tornou um companheira de brincadeiras favorita deles. Eles andavam pela casa com ela enrolada no pescoço. Eles também gostavam de provocar os seus amigos, fingindo lançar Rosie sobre eles.

Lembro-me de Johnny Jackson acordando no começo de uma noite, gritando:

"Mãe, há algo rastejando na minha barriga!" Com certeza, era Rosie. Alguns dos meninos a tinham levado para fora do aquário de Jermaine naquela tarde e tinham esquecido de devolvê-la. Ela tinha estado solta no andar de baixo.

Rosie viveu um par de anos. Depois que ela morreu, os meninos compraram uma segunda jiboia. Como Rosie, ela gostava de tomar sol entre as árvores no nosso quintal.

"Vocês não vão perder essa cobra como aquela!" Eu exclamava.

"Mas ele precisa fazer algum exercício", eles argumentavam.

Bem, um dia ela fez mais exercícios do que os meninos esperavam. Quando eles saíram para procurá-la, ela tinha se ido. Eu não ousava dizer aos vizinhos.''

VOLTAR PARA:

Um comentário: