sábado, 27 de outubro de 2012

LIVRO MOONWALK - CAPÍTULO 4 - EU E QUINCY



Na realidade, eu tinha conhecido Quincy Jones em Los Angeles quando eu tinha uns 12 anos de idade. Quincy me disse mais tarde que no momento, Sammy Davis, Jr. tinha dito a ele: "Esse garoto vai ser a próxima grande coisa desde a invenção do pão de forma". Algo assim, de qualquer maneira, e Quincy disse: "Ah, é?" Eu era pequeno na época, mas eu lembrava vagamente Sammy Davis me apresentar para Q.

Nossa amizade realmente começou a florescer no set de The Wiz, e desenvolveu-se em uma relação pai e filho. Depois de The Wiz eu liguei para ele e disse: "Olha, eu vou fazer um álbum - você acha que poderia recomendar alguns produtores?"

Eu não estava sugerindo. A minha pergunta era ingênua, mas honesta. Nós conversamos sobre música por um tempo e, depois de chegar com alguns nomes e alguns balbuceios desanimados, ele disse, "Por que você não me deixa fazer isso?"

Eu realmente não tinha pensado nisso. Parecia a ele como se eu estivesse sugerindo, mas eu não estava. Eu só não pensei que ele estaria tão interessado na minha música. Então, eu gaguejei algo como: "Ah, grande ideia. Eu nunca pensei sobre isso."

Quincy ainda brinca comigo sobre isso.

De qualquer maneira, nós imediatamente começamos a planejar o álbum que se tornou Off the Wall.

Meus irmãos e eu decidimos formar a nossa própria companhia de produção, e começamos a pensar em nomes para chamá-la.

Você não encontra muitos artigos sobre pavões no jornal, mas por volta desta época eu encontrei o único que importava. Eu sempre pensei que pavões eram bonitos e admirava um que Berry Gordy tinha em uma de suas casas. Então, quando eu li o artigo, que tinha uma imagem acompanhando a de um pavão, e revelou muito sobre as características do pássaro, eu estava animado. Eu pensei que eu podia ter encontrado a imagem que estava procurando. Era uma peça detalhada, um pouco limitada em alguns lugares, mas interessante. O escritor disse que o pavão abre completamente o seu leque de penas, somente quando ele está apaixonado, e depois todas as cores brilham - todas as cores do arco-íris em um corpo.

Eu fui imediatamente tomado com aquela bela imagem e o significado por trás dela. A plumagem daquele pássaro transmitiu a mensagem que eu estava procurando para explicar os Jacksons e nossa intensa devoção uns aos outros, bem como os nossos interesses multifacetados. Meus irmãos gostaram da ideia, então, nós chamamos nossa nova empresa de Peacock Productions, para contornar a armadilha de depender demais do nome Jackson. Nossa primeira turnê mundial se concentrou em nosso interesse em unir pessoas de todas as raças através da música. Algumas pessoas que conhecíamos perguntavam o que queríamos dizer quando falávamos sobre unir todas as raças através da música - afinal, nós éramos músicos negros. Nossa resposta era "a música é daltônica." Nós vimos isso todas as noites, especialmente na Europa e as outras partes do mundo que tínhamos visitado. As pessoas que conhecemos lá amavam a nossa música. Não importava para eles que cor era a nossa pele ou que país nós chamamos casa.

Nós queríamos formar a nossa própria empresa de produção porque queríamos crescer e estabelecer-nos como uma nova presença no mundo da música, não apenas como cantores e dançarinos, mas como escritores, compositores, arranjadores, produtores, e até mesmo editoras. Nós estávamos interessados ​​em tantas coisas, e precisávamos de uma empresa de proteção para manter o controle de nossos projetos. CBS concordou em deixar-nos produzir nosso próprio álbum - os dois últimos álbuns tinham vendido bem, mas "Different Kind of Lady" mostrou um potencial que eles concordaram que valia a pena deixar-nos desenvolver. Eles tinham uma condição para nós: eles atribuíram um homem A & R, Bobby Colomby, que costumava estar com sangue, suor e lágrimas, entrar com a gente de vez em quando para ver como estávamos fazendo e para ver se precisávamos de ajuda. Sabíamos que os cinco de nós precisava de alguns músicos de fora para obter o melhor som possível, e nós éramos fracos em duas áreas: o teclado e o aspecto dos arranjos. Tínhamos estado fielmente acrescentando todas as novas tecnologias para o nosso estúdio de Encino sem realmente ter um domínio do mesmo. Greg Phillinganes era jovem para um profissional de estúdio, mas aquilo foi um adicional em tanto quanto estávamos preocupados porque queríamos alguém que deveria ser mais aberto a novas maneiras de fazer as coisas do que os veteranos que tínhamos encontrado ao longo dos anos.

Ele veio para Encino para fazer o trabalho de pré-produção, e todos nós correspondemos surpreendendo um ao outro. Nossos preconceitos mútuos apenas dissolveram. Foi uma grande coisa para observar. Quando nós esboçamos nossas novas músicas para ele, dissemos a ele que gostávamos das faixas vocais sobre os quais a Internacional Philly sempre colocou uma recompensa, mas quando o mix saiu, nós sempre parecíamos estar lutando com parede de som de alguém, todas essas cordas e pratos. Nós queríamos um som limpo e mais funky, com um baixo duro e partes mais nítidas de trompete. Com seus arranjos bonitos de ritmo, Greg colocou a forma musical que estávamos desenhando para ele e depois alguns. Sentimos que ele estava lendo nossas mentes.

Um recruta de Bobby Colomby que veio trabalhar com a gente, então, foi Paulinho da Costa, sobre o que nos preocupamos porque pareceu-nos que estava sendo dito a Randy que ele não poderia lidar com toda a percussão por si mesmo. Mas Paulinho trouxe com ele a tradição do samba brasileiro de adaptação e improvisação em instrumentos primitivos e muitas vezes caseiros. Quando o som de Costa juntou forças com a abordagem mais convencional de Randy, parecíamos ter o mundo todo coberto.

Artisticamente falando, estávamos presos entre uma rocha e um lugar duro. Tínhamos trabalhado com os mais inteligentes, famosas pessoas no mundo da Motown e Philly Internacional, e teríamos sido tolos se descontássemos as coisas que tínhamos absorvido deles, ainda que não poderíamos ser imitadores. Felizmente tivemos um começo com uma música que Bobby Colomby nos trouxe chamada "Blame It on the Boogie". Era um tempo-acima, estalo de dedos no tempo da canção que era um bom veículo para a abordagem do grupo que queríamos cultivar. Eu me diverti sussurrando o coro: "Blame It on the Boogie" poderia ser cantada em um só fôlego, sem colocar meus lábios. Tivemos um pouco de diversão com os créditos no encarte do disco, "Blame It on the Boogie" foi escrita por três caras da Inglaterra, incluindo um chamado Michael Jackson. Foi uma coincidência surpreendente. Quando acabou, escrever canções do disco era natural para mim, porque eu estava acostumado a ter quebras de dança incorporadas a todas as músicas principais que me pediram para cantar.

Havia muita incerteza e emoção sobre o nosso futuro. Estávamos passando por uma série de mudanças criativas e pessoais - a nossa música, a dinâmica da família, nossos desejos e objetivos. Tudo isso me fez pensar mais seriamente sobre como eu estava gastando a minha vida, especialmente em relação a outras pessoas da minha idade. Eu sempre tinha nos ombros uma grande responsabilidade, mas, de repente, parecia que todo mundo queria um pedaço de mim. Não havia muito o que pensar, e eu precisava ser responsável por mim mesmo. Eu tive que fazer um balanço da minha vida e descobrir o que as pessoas queriam de mim e a quem eu ia dar inteiramente. Foi uma coisa difícil para eu fazer, mas eu tive que aprender a ter cuidado com algumas das pessoas ao meu redor. Deus estava no topo da minha lista de prioridades, e minha mãe, pai e irmãos e irmãs se seguiam. Lembrei-me daquela antiga música  de Clarence Carter chamada "Patches", onde o filho mais velho é chamado a cuidar da fazenda depois que seu pai morre e sua mãe lhe diz que ela está dependendo dele. Bem, nós não éramos meeiros e eu não era o mais velho, mas aqueles eram ombros leves para colocar tais encargos. Por alguma razão, eu sempre achei muito difícil dizer não para a minha família e as outras pessoas que eu amava. Se me pedissem para fazer algo ou cuidar de algo e eu concordaria, mesmo se eu me preocupasse que isso pode ser mais do que eu poderia lidar.
Eu me senti sob uma grande dose de stress e eu estava muitas vezes emotivo. O estresse pode ser uma coisa terrível, você não pode manter suas emoções engarrafadas por muito tempo. Havia muitas pessoas nesta época que se perguntaram como eu estava comprometido com a música depois de saber do meu recente interesse em filmes, depois de estar em um. Foi sugerido que a minha decisão para o teste tinha vindo em um momento ruim para a configuração da nova banda. Parecia, aos de fora, que veio apenas quando estávamos prestes a começar. Mas, é claro, isto funcionou muito bem.

"That's What You Get for Being Polite" foi minha maneira de mostrar que eu sabia que eu não estava vivendo em uma torre de marfim e que eu tinha inseguranças e dúvidas, assim como todos os adolescentes mais velhos fazem. Eu estava preocupado que o mundo e tudo o que ele  tinha para oferecer poderia estar passando por mim mesmo enquanto eu tentava ficar em cima do meu campo.

Havia uma música de Gamble e Huff chamada "Dreamer" no primeiro álbum da  Epic que tinha este tema, e como eu estava aprendendo isto, eu senti que eles poderiam tê-la escrito comigo em mente. Eu sempre fui um sonhador. Eu defini metas para mim mesmo. Eu olho para as coisas e tento imaginar o que é possível e, em seguida, espero superar esses limites.

Em 1979 eu completei vinte e um anos de idade e começei a assumir o controle total da minha carreira. O contrato pessoal de gestão de meu pai comigo terminou por volta desta época, e apesar de ter sido uma decisão difícil, o contrato não foi renovado.

Não é fácil demitir o seu pai.

Mas eu só não gostava da maneira como certas coisas estavam sendo tratadas. Misturar família e negócios pode ser uma situação delicada. Isto pode ser grande ou pode ser horrível, isto depende das relações. Mesmo no melhor dos tempos é uma coisa difícil de fazer.

Isso mudou a relação entre eu e meu pai? Eu não sei se isso se fez em seu coração, mas certamente não no meu. Foi um movimento que eu sabia que tinha que fazer, porque na época eu estava começando a sentir que eu estava trabalhando para ele, em vez dele estar trabalhando para mim. E no lado criativo nossas mentes estavam em lados completamente diferentes. Ele viria com ideias com que eu discordava totalmente, porque elas não eram certas para mim. Tudo que eu queria era o controle sobre a minha vida. E eu peguei. Eu tinha que fazer isso. Todo mundo chega a esse ponto, mais cedo ou mais tarde, e eu tinha estado no negócio por um longo tempo. Eu era bastante experiente para 21 anos - um veterano de 15 anos. Estávamos ansiosos para levar o grupo e o conceito de  Destiny na estrada, mas eu estava rouco de tantos shows, cantando muito. Quando tivemos que cancelar algumas apresentações, ninguém criticou a mim, mas eu senti como se eu estivesse retrocedendo meus irmãos após o grande trabalho que tinham feito enquanto nós trabalhamos juntos para colocar todos nós de volta aos trilhos. Fizemos alguns ajustes improvisados​​, a fim de aliviar a pressão sobre a minha garganta. Marlon assumiu para mim em algumas passagens que se exigiam sustentar notas longas. "Shake Your Body (Down to the Ground)," a nossa peça em conjunto no álbum, acabou por ser um salva-vidas para nós no palco porque já tínhamos uma boa base no estúdio para construir. Foi frustrante ter finalmente percebido que o nosso sonho de ter nossa própria música como uma peça do show, em vez de a música novidade, e não ser capaz de dar o nosso melhor desempenho. Não demorou muito, no entanto, de vir nosso tempo anterior.


Com Berry Gordy e Susanne de Passe (foto acima)

Trabalhando no Livro de História com Quince e Steven Spielberg (foto abaixo)

Ao olhar para trás, percebo que eu era mais paciente do que talvez meus irmãos queriam que eu fosse. Quando estávamos remixando Destiny, ocorreu-me que nós tínhamos "deixado de fora"  algumas coisas sobre as quais eu não tinha falado com meus irmãos porque eu não estava seguro deles estarem tão interessados nelas como eu estava. Epic tinha estipulado no contrato que eles iriam lidar com qualquer álbum solo que eu pudesse decidir fazer. Talvez eles estavam cobrindo suas apostas, se os Jacksons não pudessem fazer funcionar seu novo som, eles poderiam tentar me transformar em algo que poderiam moldar para o resto da minha vida. Isso pode parecer uma maneira suspeita de pensar, mas eu sabia por experiência que as pessoas de dinheiro sempre querem saber o que está acontecendo e o que pode acontecer e como recuperar o seu investimento. Parecia lógico para eles pensar dessa forma. À luz do que aconteceu desde então, eu me pergunto sobre os pensamentos que eu tive, mas eles eram reais na época.

Destiny foi nosso maior sucesso como um álbum, e nós sabíamos que tinha realmente alcançado o ponto onde as pessoas compraram o seu disco porque eles sabiam que você era bom e sabiam que você ia dar a eles o seu melhor em cada canção e cada álbum. Eu queria que meu primeiro álbum solo fosse o melhor que podia ser.

Eu não queria Off the Wall a soar como fragmentos de Destiny. É por isso que eu queria contratar um produtor de fora que não viesse a este projeto com todas as noções preconcebidas sobre como deve soar. Eu também precisava de alguém com um bom ouvido para me ajudar a escolher o material, porque eu não tinha tempo suficiente para escrever dois lados de músicas de que eu deveria estar orgulhoso. Eu sabia que o público esperava mais do que dois bons singles no álbum, especialmente nas discotecas com seus cortes longos, e eu queria que os fãs se sintissem satisfeitos.

Estas são todas as razões pelas quais Quincy provou ser o melhor produtor que eu poderia ter pedido. Amigos de Quincy Jones chamavam-no de "Q" abreviadamente por causa de um amor que ele tem por churrasco. Mais tarde, depois que nós tínhamos terminado Off the Wall, ele me convidou para um concerto de sua música orquestral no Hollywood Bowl, mas eu era tão tímido no momento em que eu fiquei nos bastidores para assistir ao show da forma como eu fazia quando criança. Ele disse que esperava mais de mim do que aquilo, e, desde então,  estamos tentando viver de acordo com os padrões um do outro.

Naquele dia, eu liguei para pedir seu conselho sobre um produtor, ele começou a falar sobre as pessoas no negócio - com quem eu poderia trabalhar e com quem eu teria problemas. Ele conhecia registos, quem estava reservado, quem ficaria demasiado negligente, quem ia colocar o "pé no pedal". Ele conhecia  Los Angeles melhor do que o prefeito Bradley e é assim que ele manteve-se com o que estava acontecendo. Como compositor, arranjador de jazz, orquestrador, compositor de cinema, algumas pessoas pensavam que era alguém do lado de fora olhando o quão longe estava em termos de música pop, era um guia de valor inestimável. Eu estava tão feliz que minha fonte do lado de fora era um bom amigo, que também passou a ser a escolha perfeita para um produtor. Ele tinha um mundo de talento para escolher entre seus contatos, e ele era um bom ouvinte, bem como um homem brilhante.

(nota do blog: Thomas "Tom" Bradleyfilho de meeiros e neto de escravos fez história quando se tornou o primeiro americano Africano prefeito de uma cidade americana, Los Angeles, sem uma grande maioria negra. Governou por cinco mandatos.)

O álbum Off The Wall era originalmente para ser chamado Girlfriend. Paul e Linda McCartney escreveram uma canção com esse título comigo em mente antes mesmo de me conhecerem.

Paul McCartney sempre diz às pessoas esta história sobre eu chamá-lo e dizer que deveríamos escrever algumas canções de sucesso juntos.

Mas isso não é exatamente como nos conhecemos.

Eu vi Paul pela primeira vez em uma festa no Queen Mary, que está ancorado em Long Beach. Sua filha Heather conseguiu  meu número a partir de alguém e me fez uma chamada para me convidar para esta grande festa. Ela gostou de nossa música e começamos a conversar. Muito mais tarde, quando a sua turnê Wings pela América foi concluída, Paul e sua família estavam em Los Angeles. Eles me convidaram para uma festa na mansão Lloyd Harold. Paul McCartney e eu nos conhecemos naesta festa. Apertamos as mãos em meio a um enorme grupo de pessoas, e ele disse, "Você sabe, eu escrevi uma canção para você." Fiquei muito surpreso e agradeci a ele. E ele começou a cantar "Girlfriend" para mim nessa festa.

Então, trocamos os números de telefone e prometemos nos reunir em breve, mas diferentes projetos e vida apenas ficaram no caminho para ambos de nós e não nos falamos novamente por um par de anos. Ele acabou colocando a canção em seu próprio álbum London Town.

A coisa mais estranha aconteceu quando estávamos fazendo Off the Wall; Quincy aproximou-se de mim um dia e disse: "Michael, eu tenho uma canção que é perfeita para você." Ele tocou "Girlfriend", para mim, não percebendo, é claro, que Paul havia a escrito para mim originalmente. Quando eu disse a ele, ele ficou atônito e satisfeito. Nós a gravamos logo depois e a colocamos no álbum. Foi uma coincidência incrível.

Quincy e eu conversamos sobre Off the Wall e cuidadosamente planejamos o tipo de som que queríamos. Quando ele me perguntou o que eu mais queria que tivesse acontecido no estúdio, eu disse a ele que temos que fazê-lo soar diferente dos Jacksons. Palavras duras para cuspir, considerando o quão duro a gente tinha trabalhado para se tornar os Jacksons, mas Quincy sabia o que eu queria dizer, e juntos criamos um álbum que refletiu o nosso objetivo. "Rock With You", o grande single de sucesso, era o tipo de coisa que eu estava buscando. Ele foi perfeito para eu cantar e mover. Rod Temperton, a quem Quincy tinha conhecido por causa de seu trabalho com o grupo Heatwave em "Boogie Nights", havia escrito a canção com um mais implacável, mais vivo arranjo  em mente, mas Quincy suavizou o ataque e trouxe em um sintetizador que soou como o interior de uma concha em uma praia. Q e eu estávamos ambos gostando muito do trabalho de Rod, e finalmente, pedimos a ele para trabalhar na estilização em três de suas canções para mim, incluindo a faixa título. Rod era um espírito semelhante em muitos aspectos. Como eu, ele se sentia mais em casa cantando e escrevendo sobre a vida noturna do que realmente sair e viver. É sempre surpresa para mim quando as pessoas assumem que algo que um artista criou é baseado em uma experiência verdadeira ou reflete o próprio estilo de vida dele ou dela. Frequentemente, nada poderia estar mais longe da verdade. Eu sei que eu desenhei em minhas próprias experiências às vezes, mas eu também ouço e leio coisas que provocam uma idéia para uma música. A imaginação de um artista é a sua maior ferramenta. Ele pode criar um estado de espírito ou sentimento que as pessoas querem ter, bem como transportá-lo para um lugar completamente diferente.

No estúdio, Quincy permitiu aos arranjadores e músicos um pouco de liberdade para expressarem-se, talvez com a exceção dos arranjos orquestrais, que são o seu forte. Eu trouxe Greg Phillinganes, um membro da equipe de Destiny, para "praticar" em números o que ele e eu havíamos trabalhado juntos em Encino, enquanto as pessoas do estúdio estavam sendo organizadas para a data. Além de Greg, Paulinho da Costa estava de volta na percussão e Randy fez uma aparição em " Don't Stop Till You Get Enough".

Quincy é incrível e não apenas escolhe homens para fazer sua oferta. Eu tenho estado ao redor de profissionais toda a minha vida, e eu posso dizer quem está tentando manter-se, quem pode criar, e quem é capaz de lutar de vez em quando de uma forma construtiva, sem perder de vista o objetivo compartilhado. Nós tivemos Louis "Thunder  Thumbs " Johnson, que havia trabalhado com Quincy nos álbuns dos  Brothers  Johnson. Também tivemos um time de estrelas de Wah Wah Watson, Marlo Henderson, David Williams, Larry Carlton dos Crusaders tocando guitarra no álbum. George Duke, Phil Upchurch, e Richard Heath foram escolhidos a partir da nata da cultura jazz / funk, e ainda assim, eles nunca deixaram transparecer que talvez esta música fosse um pouco diferente do que eles estavam acostumados. Quincy e eu tínhamos uma boa relação de trabalho, por isso, nós compartilhávamos responsabilidades e consultávamos um com o outro constantemente.

Apesar de The Brothers Johnson, Quincy não tinha feito muito  dance music antes de Off the Wall, assim "Don't Stop Till You Get Enough ", "Working Day and Night ", e "Get on the Floor" Greg e eu trabalhamos juntos para construir uma grossa parede de som no estúdio de Quincy. "Get on the Floor", embora não fosse um single, foi particularmente gratificante porque Louis Johnson me deu uma base de fundo, o suficiente para andar nos versos e me deixar voltar mais forte e forte a cada refrão. Bruce Swedien, engenheiro de Quincy, colocou os toques finais naquele mix, e eu ainda obtive o prazer de ouvi-lo.

"Working Day and Night ", foi vitrine de Paulinho, com meus vocais de fundo lutando para manter-se com seu saco de surpresas de brinquedos. Greg configurou um piano elétrico preparado com o timbre de um tom acústico perfeito, para derrubar qualquer eco persistente. O tema lírico foi semelhante ao "The Things I Do For You " de Destiny, mas desde que este era um requinte de algo que eu disse anteriormente, eu queria mantê-lo simples e deixar a melodia elevar a canção ao máximo.

"Don't Stop Till You Get Enough" teve uma introdução falada por cima do baixo, em parte, para construir a tensão e surpreender as pessoas com as cordas cintilantes e percussão. Também era incomum por causa do meu arranjo vocal. Naquele fragmento eu cantei em "overdubs" como uma espécie de grupo. Eu mesmo escrevi uma parte alta, uma que minha voz solo não poderia realizar por conta própria, se encaixar com a música que eu estava ouvindo na minha cabeça, então eu deixei o arranjo assumir a partir do canto. O "fade" de Q no final foi incrível, com guitarras cortando como Kalimbas, os pianos africanos que se tocam com os polegares. Essa música significa muito para mim porque foi a primeira música inteira que eu escrevi. "Don't Stop Till You Get Enough" foi a minha primeira grande chance, e ela foi direto para o número um. Foi a música que eu ganhei meu primeiro Grammy. Quincy tinha a confiança em mim para me incentivar a ir para o estúdio por mim, o que colocou cereja no topo do bolo.

As baladas foram o que fez Off the Wall um álbum Michael Jackson. Eu tinha feito baladas com os irmãos, mas eles nunca tinham estado muito entusiasmados sobre elas e as fizeram mais como uma concessão para mim do que qualquer outra coisa. Off the Wall tinha, em adição a "Girlfriend", uma traiçoeira, envolvente melodia chamada "I Can't Help It ", que foi memorável grande diversão cantar, mas um pouco mais peculiar do que uma música suave, como, por exemplo, "Rock With You".

Dois dos maiores sucessos foram "Off the Wall" e "Rock With You". Você sabe, tanto a dance music "up-tempo" está ameaçando, mas eu gostei da adulação, a delicadeza, levando uma menina tímida e deixá-la perder seus medos em vez de forçá-las fora dela mesma. Em Off the Wall, voltei para uma voz aguda, mas "Rock With You" chamou para um som mais natural. Eu senti que, se você estivesse tendo uma festa, essas duas músicas atrairiam as pessoas, e as músicas mais duras deveriam enviar todos de bom humor para casa. E então houve "She's Out of My Life". Talvez aquela era muito pessoal para uma festa.

Era para mim. Às vezes é difícil para mim olhar minhas namoradas no olho, mesmo que eu conheço bem. Meu namoro e relações com as meninas não tiveram o final feliz que eu estava procurando. Alguma coisa parece sempre ficar no caminho. As coisas que eu compartilho com milhões de pessoas não são o tipo de coisas que você compartilha com um. Muitas meninas querem saber o que me interessa - por que eu vivo do jeito que eu vivo ou faço as coisas que eu faço - tentando entrar na minha cabeça. Elas querem me resgatar da solidão, mas fazem isso de tal maneira que me dão a impressão de que querem compartilhar a minha solidão, que eu não desejo a ninguém, porque eu acredito que eu sou uma das pessoas mais solitárias em todo o mundo.

"She's Out of My Life " é sobre saber que as barreiras que têm me separado de outros são tentadoramente baixas e aparentemente fácil de pular e ainda permanecem de pé, enquanto o que eu realmente desejo desaparece da minha vista. Tom Bahler compôs uma bela ponte, que parecia tirado de um antigo musical da Broadway. Na realidade, esses problemas não são tão facilmente resolvidos e a canção apresenta este fato, que o problema não é superado. Não poderia colocar este corte no início ou no final do disco, porque teria sido tal, um infortúnio. É por isso que a música de Stevie vem em seguida, tão gentil e hesitante, como se estivesse abrindo uma porta que tinha estado fechada e trancada, eu ainda vou, " Whew ". No momento em que "Burn This Disco Out" fecha o disco, o transe é quebrado.

Mas eu fiquei muito envolvido em "She's Out of My Life " Neste caso, a história é verdadeira - eu chorei no final de uma tomada, porque as palavras, de repente, tiveram um efeito tão forte sobre mim. Eu tinha deixado crescer muito dentro de mim. Eu tinha vinte e um anos de idade, e eu era tão rico em algumas experiências enquanto sendo pobre em momentos de verdadeira alegria. Às vezes, eu imagino que minha experiência de vida é como uma imagem em um desses truques de espelho no circo, gordo em uma parte e magro a ponto de desaparecer em outra. Eu estava preocupado que iria realçar em "She's Out of My Life ", mas se isto tocava o coração das pessoas, sabendo disso deveria me fazer sentir menos solitário.

Quando cheguei emocional depois daquela tomada, as únicas pessoas comigo eram Q e Bruce Swedien. Lembro-me enterrando meu rosto em minhas mãos e ouvindo apenas o zumbido das máquinas como meus soluços ecoando na sala. Mais tarde eu me desculpei, mas eles disseram que não era necessário.

Fazer Off the Wall foi um dos períodos mais difíceis da minha vida, apesar do eventual sucesso que desfrutava. Eu tinha muito poucos amigos próximos na época e me senti muito isolado. Eu estava tão solitário que eu costumava andar pelo meu bairro esperando que eu ia correr até alguém que eu poderia falar e talvez nos tornar amigos. Eu queria conhecer pessoas que não sabiam quem eu era. Eu queria correr para alguém que seria meu amigo porque eles gostavam de mim e precisavam de um amigo também, não porque eu era quem eu sou. Eu queria conhecer alguém na vizinhança - as crianças do bairro, alguém.

Sucesso definitivamente traz solidão. É verdade. As pessoas pensam que você tem sorte, que você tem tudo. Eles acham que você pode ir a qualquer lugar e fazer qualquer coisa, mas isso não é o ponto. Uma fome das coisas básicas.

Eu aprendi a lidar melhor com essas coisas agora e eu não fico quase tão deprimido como eu costumava ficar. Eu realmente não tinha nenhuma namorada quando eu estava na escola. Havia meninas que eu achava que eram bonitas, mas eu achei tão difícil se aproximar delas. Eu estava muito envergonhado - eu não sei por que - era apenas loucura. Havia uma menina que era uma boa amiga para mim. Eu gostava dela, mas eu estava tão envergonhado para dizer a ela.

Meu primeiro encontro real foi com Tatum O'Neal. Nós nos encontramos em um clube na Sunset Strip chamado On The Rox. Trocamos números de telefone e chamamos um ao outro com freqüência. Eu falava com ela por horas: da estrada, do estúdio, de casa. No nosso primeiro encontro, fomos para uma festa na Playboy Mansion de Hugh Hefner e houve um grande momento. Ela segurou minha mão pela primeira vez naquela noite na On The Rox. Quando nos conhecemos, eu estava sentado nessa mesa e de repente eu senti essa mão macia esticar para pegar a minha. Era Tatum. Isso provavelmente não significaria muito para outras pessoas, mas foi coisa séria para mim. Ela me tocou. Isso é como eu me sentia sobre isso. No passado, as meninas sempre me tocavam em turnê; agarrando-me e gritando  atrás de uma parede de seguranças. Mas este foi diferente, este foi um-a-um, e isso é sempre o melhor.

Nosso desenvolvimento em um relacionamento real próximo. Eu me apaixonei por ela (e ela por mim) e nós estávamos muito próximos por um longo tempo. Eventualmente a relação transcendeu para uma boa amizade. Nós ainda conversamos de vez em quando, e eu acho que você tem que dizer que ela foi meu primeiro amor - depois de Diana. Quando ouvi que Diana Ross estava se casando, eu estava feliz por ela porque eu sabia que isto iria fazê-la muito feliz. Ainda assim, foi difícil para mim, porque eu tinha que andar por aí fingindo estar sobrecarregado, que Diana estava se casando com esse homem que eu nunca conheci. Eu queria que ela fosse feliz, mas tenho que admitir que eu estava um pouco ferido e com um pouco de ciúmes, porque eu sempre amei  e sempre amarei Diana.

Outro amor foi Brooke Shields. Estávamos romanticamente sério por um tempo. Houve um monte de mulheres maravilhosas na minha vida, mulheres cujos nomes não significam nada para os leitores deste livro, e seria desonesto discuti-los porque elas não são celebridades e não estão acostumadas a ter seus nomes impressos. Eu valorizo ​​minha privacidade e, portanto, eu respeito a delas também.

Liza Minelli é uma pessoa cuja amizade eu sempre vou valorizar. Ela é como minha irmã do show business. Nós nos reunimos e falamos sobre o negócio; isto sai de nossos poros. Nós dois comemos, dormimos e bebemos vários movimentos e canções e dança. Nós temos o melhor tempo juntos. Eu a amo.


Logo depois que terminou Off the Wall, eu mergulhei em fazer o álbum Triumph com meus irmãos. Nós queríamos combinar o melhor dos dois álbuns para a nossa turnê. "Can You Feel It?" foi o primeiro fragmento no álbum, e que tinha a coisa mais próxima a uma sensação de rock que os Jacksons haviam feito. Realmente não foi dance music também. Nós tínhamos ela em mente para o vídeo que abriu a nossa turnê, uma espécie de nosso Also Sprach Zarathrustra, o tema de 2001.

(Also sprach Zarathustra - Assim falou Zaratustra - é um Poema Sinfônico Composto em 1896 por Richard Strauss, inspirado no tratado filosófico de mesmo nome escrito por Friedrich Nietzche. O próprio compositor conduziu uma performance na cidade de  Frankfurt. Uma execução típica dura cerca de meia hora.

Suá introdução tornou-se mito conhecida por ter sido usada como tema musical no Filme 2001: Uma Odisséia no Espaço, de Stanley Kubrick, de 1968. - nota do blog)

Jackie e eu tínhamos pensado de combinar o som da banda, com um sentimento de coro infantil gospel.  
Isso foi uma menção a Gamble e Huff, de certa forma, porque a canção foi uma celebração do triunfo do amor, purificando os pecados do mundo. Randy é tão bom  cantando, mesmo que seu alcance não é tudo o que ele gostaria que fosse. Sua respiração e fraseado me mantiveram na ponta dos pés quando nós a cantamos. Havia um brilhante teclado que eu trabalhava por horas, voltando e voltando sobre ele novamente, até que eu tive do jeito que eu queria. Tivemos seis minutos, e eu não acho que foi um segundo muito longo.

"Lovely One " era uma extensão de "Shake Your Body Down to the Ground", com aquele som mais leve de Off The Wall injetado. Eu tentei uma nova voz, mais etérea em  " Your Ways ", de Jackie com os teclados acrescentando uma qualidade muito distante. Paulinho trouxe toda a artilharia: triângulos, crânios, gongos. Essa música é sobre uma estranha garota, que é a maneira como ela está, e não há nada que eu possa fazer sobre isso, exceto apreciá-la quando eu posso.



"Everybody " é mais divertido que as músicas de dança de Off The Wall, com Mike McKinney impulsionando-o como um avião girando e caindo. Os vocais de fundo sugerem a influência de " Get on the Floor", mas o som de Quincy é mais profundo, como você está no olho do furacão - nosso som era mais como subir o elevador de vidro para o último piso enquanto olha para baixo, subindo sem esforço.

"Time Waits for No One" foi escrito por Jackie e Randy com a minha voz e estilo em mente. Eles sabiam que estavam tentando manter-se com os compositores de Off the Wall e que fizeram um trabalho muito bom. "Give It Up" deu a todos uma chance para cantar. Marlon em particular. Nós isolamos do som do grupo nessas faixas, talvez naufragando de volta naquela armadilha Philly de deixar o arranjo nos confundir. "Walk Right Now" e "Wondering Who " estavam mais próximos do som de Destiny, mas para a maior parte, eles estavam sofrendo de muitos cozinheiros e não suficiente caldo.

Houve uma exceção: "Heartbreak Hotel". Eu juro que foi uma frase que saiu da minha cabeça e eu não estava pensando em qualquer outra canção quando eu a escrevi. A gravadora imprimiu na capa como " This Place Hotel ", por causa da conexão de Elvis Presley. Tão importante quanto ele foi para a música, negra assim como a branca, ele só não foi uma influência em mim. Eu acho que ele apareceu muito cedo para mim. Talvez fosse o tempo mais do que qualquer outra coisa. No momento em que a nossa música tinha saído, as pessoas pensavam que se eu mantivesse vivendo em reclusão do jeito que eu estava, eu poderia morrer da maneira que ele fez. Os paralelos não estão lá tanto quanto eu estou preocupado e eu nunca fui muito com tática de intimidação. Ainda, a forma como Elvis destruiu a si mesmo que me interessa, porque eu mesmo  jamais quero andar nesses terrenos.

La Toya foi convidada a contribuir com o grito que abre a canção - não o início mais auspicioso para uma carreira discográfica, eu vou admitir, mas ela estava apenas começando a colocar seus pés no estúdio. Ela fez alguns bons discos desde então e está bastante realizada. O grito era o tipo que normalmente estilhaça um sonho ruim, mas nossa intenção era ter o sonho somente começando, para fazer o ouvinte se perguntar se era um sonho ou realidade. Aquele foi o efeito que eu acho que nós tivemos. As três cantoras de acompanhamento foram divertidas quando elas estavam fazendo os efeitos assustadores de apoio que eu queria, até elas efetivamente ouviram na mistura.


"Heartbreak Hotel" foi a música mais ambiciosa que eu tinha composto. Eu penso que eu trabalhei em um número de níveis: você pode dançar por ela, cantar junto com ela, ficar com medo por ela, e apenas ouvir. Eu tive que desembocar em um piano lento e violoncelo, que terminava com uma nota positiva para tranquilizar o ouvinte; não há nenhum ponto em tentar assustar alguém, se não houver algo para trazer a pessoa de volta são e salvo, de onde você levou eles. "Heartbreak Hotel" tinha vingança nela e eu sou fascinado pelo conceito de vingança. É algo que eu não consigo entender. A ideia de fazer alguém "pagar" por algo que fizeram com você ou que você imagina que eles fizeram para você é totalmente estranha para mim. A configuração mostrou meus próprios medos e pela primeira vez, sendo ajudado a dominá-los. Havia tantos tubarões neste negócio procurando por sangue na água.

Se essa música, e mais tarde "Billie Jean", parecia lançar as mulheres em uma luz desfavorável, ela não foi feita para ser levada como uma declaração pessoal. Desnecessário dizer, eu amo a interação entre os sexos, é uma parte natural da vida e eu amo as mulheres. Eu somente penso que quando o sexo é usado como uma forma de chantagem ou poder, é um uso repugnante de um dos dons de Deus.

Triumph nos deu aquela explosão final de energia que precisávamos para montar um show perfeito, com nenhum material marginal. Começamos a ensaiar com nossa banda da turnê, que incluiu o baixista Mike McKinney. David Williams iria viajar com nós também, mas agora ele era um membro permanente da banda.

A próxima turnê estava indo para ser um grande empreendimento. Tivemos efeitos especiais arranjados para nós pelo grande mágico DougWhining. Eu queria desaparecer completamente em uma núvem de fumaça justo depois de "Don't Stop ". Ele tinha que coordenar os efeitos especiais com as pessoas do Showco, que controlavam toda a configuração. (Showco é um fornecedor de equipamentos de som, um reforço de serviços para a indústria de turnês de concertos cuja base localiza-se em Dallas / Texas - nota do blog)Eu estava feliz em falar com ele, enquanto repassávamos a rotina. Parecia quase injusto para ele dar-me os seus segredos, e para além do dinheiro, eu não estava lhe oferecendo qualquer coisa de que ele poderia fazer uso em troca. Eu me senti um pouco desconfortável com aquilo, eu realmente ainda queria que o nosso show fosse grande e eu sabia que a contribuição de Henning seria espetacular. Estávamos competindo com bandas como Earth, Wind and Fire e os Commodores para a posição de banda top no país, e nós sabíamos que havia pessoas que sentiam que os irmãos Jackson tinham por volta de 10 anos e estavam acabados.

Eu tinha trabalhado duro no conceito para a configuração da próxima turnê. Ela tinha a sensação de Contatos Imediatos por trás dela. Eu estava tentando fazer a afirmação de que havia vida e significado para além do espaço e do tempo e do pavão que tinha se expandido cada vez mais brilhante e cada vez mais orgulhoso. Eu queria que nosso filme refletisse essa idéia, também.

Meu orgulho nos ritmos, os avanços técnicos, e o sucesso de Off the Wall foi contrabalançado pelo choque que eu tive quando as indicações ao Grammy foram anunciadas para 1979. Apesar de Off the Wall ter sido um dos álbuns mais populares do ano, ele recebeu apenas uma indicação: Melhor Performance Vocal de R & B. Eu me lembro onde eu estava quando recebi a notícia. Eu me senti ignorado pelos meus pares e isto machucou. As pessoas me disseram mais tarde que isto surpreendeu a indústria também.

Fiquei decepcionado e depois eu fiquei animado pensando sobre o álbum que viria. Eu disse a mim mesmo: "Espere até a próxima vez" - eles não serão capazes de ignorar o próximo álbum. Eu assisti a cerimônia na televisão e foi bom vencer na minha categoria, mas eu ainda estava chateado pelo que eu percebia como a rejeição dos meus pares. Eu só ficava pensando: "Da próxima vez, da próxima vez." Em muitos aspectos, um artista é o seu trabalho. É difícil separar os dois. Eu penso que eu posso ser brutalmente objetivo sobre meu trabalho como eu crio ele, e se alguma coisa não funciona, eu posso sentir isso, mas quando eu entrego um álbum acabado - ou música - você pode ter certeza que eu lhe dei cada grama de energia e talento dado por Deus que eu tenho. Off the Wall foi bem recebido pelos meus fãs e eu acho que é por isso que as indicações ao Grammy feriram. Aquela experiência acendeu um fogo em minha alma. Tudo o que eu conseguia pensar era o próximo álbum e o que eu faria com ele. Eu queria que fosse verdadeiramente grande.

VOLTAR PARA:

8 comentários:

  1. Tenho consciência de que os capítulos são longos e que nem todos gostam de ler assim e que pode ser cansativo.

    Mas, o objeitivo aqui foi reproduzir o conteúdo do livro da forma mais fiel possível a Michael.

    Por isso, os capítulos estão sendo publicados em sua totalidade e não em partes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Otimo que está na totalidade os capitulos... estou amando... Obrigado por postar!! ler, ouvindo e tem horas que batem as musicas.. não tem preço...

      Excluir
    2. Que bom que esta inteiro.. estou amando... Parabens pelo trabalho... ler ouvindo e tem horas que as musicas batem...não tem preço.. sensação única

      Excluir
    3. Oi Fernanda, tudo bem?

      Obrigada por visitar a página, e fico feliz também por estar gostando da leitura do livro.

      E sim, está com a tradução completa.

      Obrigada pelo elogio. É gratificante saber que tem pessoas que olham o que é feito em memória de Michael. E a maior satisfação é poder levar isso para o mundo através da internet.

      ♥ L.O.V.E.♥

      Excluir
  2. amei a parte em que ele diz que se apaixonou por ela só ao toque de suas maõs. Isso não é lindo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Adriana, tudo bem?

      Michael era tão sensível, não é?

      Excluir
  3. Adorei a parte em que ele descreve a cena em ela pega em suas mãos. Isso mostra o tanto que ele era romantico...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ele era romântico e sabia a forma respeitosa e amorosa de como se deveria tratar uma mulher.

      Homem lindo por dentro e por fora.

      Excluir